JAWs
André Silva
1

Amém!

Quer mais imediatista do que ocupar para reivindicar?

Quais foram as tentativas de se estabelecer um diálogo por parte de quem não concordava com o plano? Quais foram as propostas oferecidas como alternativas para a questão?

Eu, assim como você, sei bem das possíveis incompreensões. Tanto que ler sua resposta não me espantou. O que me espanta é o seu julgamento sobre a minha capacidade de ver e entender o cenário que tal situação nos oferece. Me sinto perspicaz o suficiente para criar minhas opiniões por livre pensamento sem ter de recorrer aos livros e textos de outros pensadores. O que me dizem os autores não é mais do que a compreensão que cada um teve ao se propor num pensamento qualquer, no tempo em que escreveram.

Eu não concordo com nenhum dos protestos ocorridos nos últimos anos por dois motivos:

1 — a gritaria sem entendimento não leva a nada.

O povo saiu as ruas reclamando, exigindo direitos e no fim, o que recebeu? Nada! Nada foi de fato conquistado. Tudo o que restou foi a oportunidade de quem tem maior interesse, de usar a insatisfação da massa para benefício próprio. Puro oportunismo que se alimenta pela incapacidade do brasileiro de perceber as manipulações que o controla.

2 — num país tão “complexo” e burocrático quanto o Brasil, nada acontece sem planejamento ou autoritarismo. Não por ser impossível, mas justamente por ser complexo e burocrático. Não se pode fazer mudanças num sistema como o nosso sem antes considerar todos os pontos afetados. Quem estava ou está manifestando, pensa que basta o querer e pronto, tudo se realiza. A voz do povo é a voz de Deus? Que isso!

Sim, é importante ter voz ativa. Mas saber falar não é o mesmo que saber o que está falando.

Eu pensei muito antes de comentar no seu texto. Fiz a primeira leitura poucas horas depois de vc ter postado. Comentei por realmente achar que você escreve muito bem.

E isso aqui, essa divergência de opiniões é o que precisamos. Eu acho excelente quando há o debate.