O combinado de escolha e sorte.

Decidir sair da casa dos pais não é uma tarefa muito fácil, pelo menos pra mim não foi. Mas, vindo de uma cidade bem no interior de Minas Gerais, chamada Carmo da Mata, onde a tranquilidade é o que prevalece, a vida de uma jovem precisava dar uma agitada. Escolhas devem ser tomadas e dentre elas a faculdade, que será a base para seu futuro profissional.

Em meados de 2011, resolvi que queria estudar em uma universidade. Mas o que fazer se a sua cidade não tem? Logo pensei nas proximidades, pois a ideia de sair de perto da mamãe era difícil. São João Del-Rei, Divinópolis, Oliveira, Lavras, Itaúna, BH, até Ouro Preto passou pela minha cabeça. No entanto, por ora, tudo ficava na imaginação e na utopia.

Quando chegou 2012, precisava decidir o que iria fazer da vida depois que formasse. Então, procurei começar um cursinho pré-vestibular conciliando com o término do ensino médio. Formei. Nesse momento vi que não poderia mais ficar onde estava, foi então que as circunstâncias me trouxeram para BH.

Então, pela vontade imensa em ingressar em uma universidade, vim para BH, fiz pré-vestibular e desde então comecei a cursar Relações Públicas. Não, eu não quis logo de cara fazer parte da área de comunicação. Passei por um longo processo até me descobrir. Pensei em ser advogada, médica, nutricionista e até gastrônoma. Até que um belo dia, em uma conversa informal com alguns colegas, me disseram que tinha facilidade em conversar e que a área seria boa para mim. Realmente falo muito. Então, decidi que queria ser comunicóloga, como diz uma querida professora.

Me encontrei. Posso dizer que houve um combinado de sorte pois, realmente não sei se seria tão feliz quanto sou fazendo os outros cursos que queria. E as descobertas diárias em sala de aula, me fazem sentir o encantamento da comunicação e o quanto a escolha foi assertiva. Agora estou aí, na luta constante e diária buscando aprimorar os conhecimentos para me tornar um profissional competente.

Foto: a.has

A vinda para BH me fez enxergar um universo de possibilidades que antes não via e vivia. Aprendi a andar de ônibus, aprendi os nomes das ruas e referências para não me perder, fiz novas amizades, conheci lugares e pessoas incríveis e, principalmente, tive uma nova visão e perspectiva das coisas.

Por fim, minha saudosa cidade sempre é lembrada com muito carinho, emoção e também por seus casos que incrivelmente só acontecem por lá. O medo de deixar tudo na cidade do interior ficou para trás, dando lugar a vontade seguir em frente e viver novos desafios. A faculdade com certeza é um lugar de grande crescimento pessoal e também onde acontece uma das melhores partes da vida. Sem dúvida eu não seria mesma se não tivesse feitos essas escolhas.

Thaíse Assurey — Estagiária Sou BH.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.