Um poço escuro e profundo

um poço muito escuro e profundo que eu comecei a cavar bem no meio do meu quintal. Era um quintal bonito e florido e foi bem no meio daquele lugar de paz que decidi enterrar os meus sentimentos.

A princípio, somente os sentimentos ruins. Eles ficariam ali, bem dentro do poço, no meio do quintal, envolto pelas roseiras e o pé de goiaba. Ali dentro os sentimentos ruins, aqueles pesados que te jogam pra baixo, poderiam ficar em paz. Mas esse foi justamente o problema, de tão pesados, os sentimentos tristes foram deixando o poço cada vez mais profundo, e quanto mais profundo, mais escuro. De tão pesados, começaram a puxar para si outros sentimentos. Amor, paixão, carinho, alegria, satisfação, todos aos poucos foram sendo sugados para dentro do poço profundo. Aos poucos o dono do poço já não sentia mais, até que um dia decidiu precipitar-se para dentro do poço, na esperança de um dia voltar a sentir. Até hoje conta-se que ele está lá, no poço, no meio das roseiras, perto do pé de goiaba, esperando que algum dia, apareça alguém com um baldinho e que aos poucos vá tirando um bocadinho de sentimentos de cada vez até um dia encontrá-lo também lá dentro e possa resgatá-lo por completo.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Jean de Medeiros’s story.