Quando eles falam de você

Nós eramos um bom casal, o tipo romantizado pé no chão que a galera gosta de admirar, do tipo que serve de referência do ideal que ninguém nunca vai acertar. Não eramos aquele casal encosto, que tenta se engravidar no meio do bar entre os amigos, nós fazíamos o rolê acontecer.

Além de namorados, eramos companheiros, e quando vocês tiverem a alegria de ter uma companheira vão saber do que eu falo, “cum panis” a que divide o pão, que divide a força, que divide a vida.

Hoje ainda me perguntam de você, e não é pouco, você deve saber do que eu falo, quando chega a reunião de família e lembram daquela moça simples e querida, do rapaz correto, dos companheiros de causa, os parceiros de academia e de chopp. Foi assim na tia que mora longe, nos amigos de família, no advogado e no dentista, foi assim com a caixa do mercado, a secretaria da universidade e até o deputado, foi assim com a vizinha, foi assim no trabalho e até na balada, com a tua amiga, com o meu amigo, todos uma hora ou outra me pedem de você.

Eu tento te evitar das telas que passo o dia todo em cima, mas das pessoas eu não consigo:

- Então não deu certo?!

Deu certo! Deu certo pra caralho, se teve uma coisa que deu foi certo, você sente como algo deu certo quando não se arrepende de tudo o que viveu. E enquanto a maioria foge, eu ainda respondo ou pelo menos tento responder todas as perguntas que recebo.

- Deu certo, mas como as estações, a vida é feita de ciclos, de fases, de crises.

É mais fácil eu falar que perdemos sincronia no meio dessas fases, do que explicar pra eles que não foi falta de amor, afinal ninguém sabe as respostas, se soubéssemos não se chamaria amor. Olha que pensando bem, prefiro desconversar.

As vezes por algum anseio de me libertarem de ti, como se estivessem vendo amarras nos meus pés, insistem em me jogar frases prontas na cara, “você não merece ela”, “ela te deixou”, “ela já beija outras bocas”, “ela escolheu essa vida”, “esquece isso logo não te faz bem”, “você é melhor que isso”. Porque as pessoas acham que sendo cruéis com sentimentos vão te fazer superar na marra qualquer coisa? Sim a realidade é dura, mas as vezes é melhor aplicar em doses homeopáticas.

Não minto que te esqueci, nem que superei, muito menos que não tenho saudade - teu corpo ainda me arrepia, não esqueci de nenhuma curva, de nenhum gosto, nem de onde prefere que eu segure, nem a intensidade ou o ritmo de quando estávamos juntos— , eu não estou numa corrida pra substituir ninguém, paciência, temos um mundo esperando uma revolução, acho que eu posso dar outras prioridades a vida. Eu posso ter raiva de você no banho ou na rua, eu posso chorar por você na cama ou na mesa, posso te culpar dos domingos depressivos e dos sábados em casa. Eu faço o que quiser com o meu sentimento, já os outros? Os outros não! Não vão conseguir ter minha atenção falando mal de você!

Para os outros você deve ser apenas uma figura de linguagem que me inspira e da sentido aos meus textos que eles acreditam ser mentira.

Eu queria terminar com a rima mais pesada
Mas se eu não posso…
Eu prefiro não dizer nada…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.