O rio

O rio… tão vivo o rio

Que fazemos questão de matá-lo

De destruir suas margens

De sufocá-lo…

Nem em antigas imagens

Podemos reconhecê-lo

De tão mudado que está

Tão sujo,

Tão… lento…

Até o vento não quer passar por ali

Pra não ver aquele rio morto

Escorrendo litros de consciência humana.


One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.