Eu só desejo que você seja feliz!

Essa é a frase mais batida e altruísta que podemos dizer quando aquele relacionamento que um dia foi bom, chega ao fim.

Todo relacionamento é feito de momentos e no fundo, o nosso desejo é que ele seja feito 100% de momentos felizes, recompensadores, que nos leve para outro planeta, que nos faça esquecer dos problemas, que nos deixe com o coração batendo mais forte o tempo inteiro, naquela tremedeira inexplicável que sentimos quando recebemos aquele abraço apertado e no calor de um beijo apaixonado.

A dura realidade é que não é bem assim que a banda toca.

Logo os problemas de incompatibilidade, divergência, amigos, família, ou qualquer outro motivo surge para abalar a relação.

Aquele relacionamento perfeito acaba esfriando, a companhia já não é tão boa, o coração já não bate como uma escola de samba e impotente, depois de muito lutar, simplesmente acaba.

Em nome de todo aquele sentimento bom e expectativas geradas, o único desejo é que a pessoa seja feliz. E é verdade isso, realmente queremos que a pessoa seja feliz, por mais ruim que a relação possa ter terminado.

Acontece que ninguém fala o quanto é difícil deixar esse sentimento fluir e ser verdadeiro.

Por trás de tudo, existe um sentimento de frustração, angustia, dor e orgulho ferido. O apego por algo que antes estava ali e que agora precisa partir para ser feliz é latente e pulsante, vai incomodar por vários e vários dias. A cabeça diz: “Ok, tudo bem! Eu aceito isso, pode ir, seja feliz”. Mas o coração está sangrando e travando uma batalha épica, digna de Hollywood, entre a razão e a emoção.

Muito se fala que o amor verdadeiro é deixar livre. Eu concordo, apenas não vejo ninguém falando de quanto é difícil chegar neste nível de desprendimento.

No fim, com o passar do tempo, esse sentimento tão nobre se torna verdadeiro.

Aquela pessoa está feliz e você consegue vibrar junto, mesmo que ela jamais saiba.

No ato mais altruísta que podemos fazer quando amamos outra pessoa.

Seja feliz, é só isso que desejo para você!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.