Você sempre será uma droga naquilo que você tentar fazer, até você fazê-lo

Ou “Sobre uma flor de artesanato”

Não adianta fugir, você vai errar.

Em uma dessas tardes de domingo em que o melhor que escolhemos fazer é justamente não fazer nada, mas ao lado de pessoas que gostamos — para compensar a ausência que deixamos no resto da semana — , estávamos eu e minha mãe assistindo a um programa de artesanato na televisão.

Com habilidade, uma artista ensinava a apresentadora, lá do outro lado da telinha, a criar pequenas flores de tecido, que ficavam muito parecidas com flores verdadeiras. Pelo menos, as da artista.

“Jamais vou conseguir fazer uma igual às suas, Ivone! As suas ficam perfeitas, olha a primeira que eu fiz… Que desastre!”, brincava e lamentava a apresentadora, segurando o que mais parecia um monte de retalho. A flor dela tinha ficado uma droga mesmo.

Eis que a artista, no auge dos seus 50 e tantos anos, falou uma frase que ficou na minha cabeça: “É que você não viu a primeira que EU fiz, querida”. Nesse momento, ela segurava uma flor que enganaria a mais esperta das abelhas. Era uma obra de arte.


Tal episódio me fez lembrar de um texto chamado “You Will Always Suck at What You Do, Until You Do This”. Como não encontrei tradução para o português, tomei a iniciativa de traduzi-lo aqui. A ideia é mais ou menos essa:

Você sempre será uma droga no que você se propor a fazer, até realmente fazê-lo.
Os 100 primeiros posts do seu blog serão uma droga.
Seus 100 primeiros podcasts serão uma droga também.
Suas 100 primeiras palestras não serão perfeitas.
Seus 100 primeiros vídeos serão um pesadelo.
Ninguém pode pegar uma bola e se transformar em um baita jogador de basquete durante a noite.
Ninguém pode pegar uma caneta, escrever e ganhar um Prêmio Pulitzer imediatamente.
Ninguém é interessante em sua primeira entrevista.
Ninguém vai caminhar em um palco pela primeira vez, sem dizer alguma coisa errada.
Ninguém aprende a andar a partir do primeiro passo.
Nós sempre somos uma droga no início.
Porém…
Crianças conseguem fazer o que muitos adultos falham em fazer.
Nós sempre pensamos que as crianças são sem noção. Que elas precisam da nossa orientação para descobrir a vida. Mas elas sabem de coisas que a maioria de nós já esqueceu:
Nós não nos tornamos melhores quando desistimos, mas quando continuamos tentando.
Os bebês param de tentar aprender a andar depois de cair na primeira tentativa? Não, eles continuam tentando.
É por isso que tudo parece possível quando a gente é criança. Não há ego. A gente só vê uma linha de chegada e ficamos sedentos por ultrapassá-la.

No fim do texto, Cammi Pham (a autora) fala um pouco sobre a sua experiência pessoal no marketing digital, mas a ideia central do texto é essa daí. Se você quiser, pode ler o texto original aqui.

Então, apresentadora do programa de artesanato, relaxa. Sua flor ficará lindona se você praticar mais e se dedicar a isso. E a mesma dica serve nós todos, em outras áreas da nossa vida.

Se você for uma droga naquilo que você tentou pela primeira vez, tudo bem. Se você for um droga naquilo que você fez pela décima vez, acontece.

É só o começo.


Se você gostou desse texto, clique no ♥ abaixo para me dar aquela forcinha para continuar escrevendo. Obrigada!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.