Ziraldo maluquinho, menino aos 85

Cartunista fala da voz eterna de uma infância manifesta nos livros

Texto de Jeison Karnal

Deus se comunica com a gente é pelos livros, não por uma visão

PING PONG!!!!!!!

Com o é dialogar com a infância aos 85 anos?

A maior sacanagem com o idoso é chamar essa fase de melhor idade. Aos 85, a gente fica meio ranzinza, cansa mais, tem insônia, a saúde não é a mesma. Os japoneses diriam que eu estou vivendo o 86º ano de vida, não 85º. Cada vitória é mais divertida que na juventude, pois eu sei que estou fazendo o melhor que posso. Com a cuca boa a gente realiza e enfrenta numa boa.

Ainda se considera um menino?

Sou um autor infantil. Me formei em Direito, mas a vida me levou aos quadrinhos. Se existe algo que eu conheço (e fui na vida) é menino. Sempre fui menino! Entendo pra burro de infância! Para escrever o livro Meninas, conversei com elas, saquei seus sentimentos, li Alice no País das Maravilhas, do Caroll. O livro Meninas é uma experiência de outro lugar de fala.

(SEGUE DEPOIS DA IMAGEM DO LIVRO)

Como despertar o interesse pela leitura?

Há mais livros escritos que estrelas no céu. Deus se comunica com a gente é pelos livros, não por uma visão. A velocidade do mundo aumentou, talvez o livro tenha outro suporte, talvez seja acionado por um botão na parede de casa. Em dois mil anos, mudou quase nada. As histórias ouvidas e contadas, a poesia, essas sempre existiram e sempre vão existir. Tem que discutir é a democratização, o acesso aos livros. Ler é mais importante que estudar. O livro contém a vida: vira a página é o tempo; para na página é o espaço.

O quem para dizer os pais e crianças que irão vê-lo na feira?

Só tenho uma mensagem, não sou dos Correios. Os pais também têm que ler. Por meio dos textos, a gente faz permanentemente uma viagem interna. É a busca do autoconhecimento. Um dia um livro vai revelar-se para você, esse autor estará falando contigo. A leitura é a grande aventura humana. O livro é eterno, promove o convívio com a gente mesmo. As pessoas tem que perceber, nem todo mundo sabe disso ainda. Os leitores são privilegiados.

(Publicado originalmente no Diário de Canoas de 23 de junho de 2017)

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.