Na janela

Me vi observando sua vida de longe e não percebi que não vi a minha passar diante dos meus olhos. Isso aconteceu bem no começo, eu passava horas tentando te encontrar nas coisas, querendo descobrir o que fazia, como estava e me deixei pra depois, deixei a cura das minhas cicatrizes para depois e esse machucadinho ganhou proporções incabíveis.

Eu não poderia mais fazer isso comigo, tentar saber como você estava e não poder falar com você me rasgava ao meio todas as vezes e no mesmo lugar. Vi comentários em um vídeo seu e eu sabia exatamente quais deles haviam te deixado mal, antes mesmo de você responder, eu me perguntava: como será que ele está ao ler isso? Que droga.

Há mais ou menos quatro dias eu não procurava saber sobre tua vida, mas hoje me vi olhando pela janela, mais uma vez, mas dessa vez eu não me esqueci de mim, dessa vez eu pude perceber que é preciso seguir em frente de uma vez por todas, eu não posso regar mais meu amor, o campo está infértil.

Espero não te procurar pelo próximo vez e só voltar quando estiver pronta para te ver e aceitar que a gente nunca foi e nunca será parte do outro.

Jeniffer Noronha

Like what you read? Give Jeniffer Noronha a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.