Quantas de nós pode dizer que tem/teve uma vida de princesa?

Princesa?

Sou comunicadora, fotógrafa e como muitos devem ter reparado, eu sou a rainha das divulgações da NósFotografa em grupos. Nisso, estou em mil grupos venda, troca, descontos, amigas, mães e agora noivinhas, como elas se chamam. Acho surpreendente ver o quanto de pessoas ainda casam tradicionalmente nesse país!!! Meio que ainda é o sonho da maioria das meninas, inclusive as da minha época (nascidas em 1990 e 1995). Com a bolha da universidade, feminismo, um bando de mulher que passa perrengue a beça e se vira e relacionamentos bem menos tradicionais, algumas coisas me assustam nesses grupos. Mas é claro que não to aqui pra julgar as minas que estão, enfim, realizando seus sonhos. Estou aqui porque eu sou problematizadora real e uma das coisas que mais me incomodam são privilégios.

Uma guria, de 17 anos, perguntou se tudo bem ela casar em 2019, com 19 anos. Nunca foi o plano ideal pra mim, que tenho 23 e apesar de já morar junto, o casamento, principalmente nos moldes tradicionais (véu e grinalda) está distante. Mas assim, é de cada um, cada um sabe de si, então nem opinei. Entretanto, o que mais me impactou foi o comentário de uma menina dizendo:

“Eu tenho 21, meu namorado 22! Eu quero casar? Quero. Mas sair da casa dos meus pais onde sou tratada como uma princesa, só para ter uma vida de rainha.”

E aí pensei: quantas de nós têm vida de princesa na casa de nossos pais? Seja pelo que for, quem tem vida de princesa? Quantas de nós pode abrir a boca pra dizer que na casa dos pais tem/teve vida de princesa? Novamente, seja pelo que for, isso já é um baita de um privilégio.

Mas, e a vida de rainha? De alguma forma esse termo me incomodou. Quantas mulheres se casam para ter vida de rainha? Ou melhor: o que é ter uma vida de rainha? O que é mais importante para cada uma de nós? Dinheiro? Conforto? Ter o/a cara/mina ideal? O que nos faz se sentir uma rainha? E o que é ter vida de rainha para tantas daquelas noivinhas?