Aos filhos da Arte

Sou filho da arte,
A mãe de todas as mães
De todos os filhos
De todos os pais
De todos os netos
Bisnetos e...
Até de quem não existe mais
Na física - só artisticamente.

Sou fruto da arte
Do amor - que me invade
Da dor - que vem cedo e vai tarde
Da alegria escancarada
Nos olhos daqueles
Artistas
Todos filhos como eu
Da arte
A mãe de todas as mães.

Sou um homem que faz arte
Arte escrita, falada ou cantada
Que pode até não ser dita
Em voz alta.
Mas sempre - sempre! - está viva.

E não me diga que não...
Se eu pudesse explicar...
Mas não posso...
Sinta!
É assim que, a seus filhos
A arte se faz ensinar:
"Filho meu, 
Apenas... me sinta"

Ah, mãe de todos os seres
De todas a vidas
Crentes ou não
Mortas ou vivas
Apenas... vidas.
Apenas?

Ah, sem pena...
Não pensa.
Pessoa, o poeta
Já dizia:
"Que se alguém pensasse na vida
Morria de pensamento"
Ah, Pessoa, quanta vida
Se pode viver num só momento?

Estou aqui, entregue
Como fruto da arte do amor.
Me disponho a ser
(Sem duvidar de mim mesmo)
Tudo aquilo que o tempo
De mim
Nunca levou:

Quem, verdadeiramente
Por dentro, por fora...
Eu sei... eu sei sim!
Hoje, Mãe Arte,
Hoje eu sei quem eu sou.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.