Parta

Do jeito que eu chego daqui
Não há quem um dia chegue de lá
Afasto, sem saber, quem se aproxima de mim
Porque não mereço — e não faço por onde desejar.

Que tudo se parta, fique miudinho
Meus sonhos… Ah, meus sonhos tão carentes…
A vida é assim mesmo, não há um desatino!
Siga!
Pra um lado, pra outro, pra trás — será sempre pra frente!

Difícil sou eu, eu sei — não hei de me inocentar.
Um dia, quem sabe, alguém que partiu de lá poderá chegar aqui.
Um dia, quem sabe, alguém veja em mim menos do que há
Mas suficiente para dizer, de verdade: eu te amo, vou contigo até o fim.

(No entanto, antes que me dê adeus e parta
Preciso lhe pedir o seguinte:
Se fiz algo errado… Me fala!
Pior que a dúvida é fingir que a culpa inexiste!

E queria pedir a você também, se puder: não parta!
Ou me leva contigo — dá uma chance de mostrar que o amor aqui existe…
Eu te peço, de joelhos: não saia em disparada
Não anseia, se acalma! A vida, na verdade, é bem simples.

Eu que tenho medo e não deixo tudo às claras…
Quando penso em algo dizer, meu silêncio bate o pé e persiste.
Mas confesso: se você me quiser, amanhã mesmo a gente casa.
Talvez eu seja mesmo exagerado, mas, por isso? Não… por favor, não desiste!

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.