Noite passada eu contei nossa história pra quem quisesse ouvir.

Eu contei dessa tua mania de ir e vir como se minha vida tivesse porta de saloon, como o balconista já te conhece e sempre te serve a mesma cerveja. Como você bebe, sorri satisfeito e vai embora pra voltar na semana seguinte.

Contei que você é incrível e por muitas vezes invencível. Contei que eu e você somos do tamanho do mundo todo e tudo cabe em nós quando estamos juntos, mas que odeio sentir a tua falta e que detesto o jeito que você escreve (e sobre o jeito que nunca é sobre mim que você escreve).

Contei desse teu charme fajuto que tem data de validade, sobre como seu celular vibra o tempo inteiro com notificações e de como eu sempre tiro os óculos, apoio na janela do seu quarto e agradeço por ser míope e não ver nada além de borrões.

Enquanto subia a Rua Augusta e caçava o maço de cigarros na bolsa, contei sobre como apesar de todas as coisas, acho que te faço feliz também. Achei o maço e contei que muita gente te faz feliz — e que eu realmente não sei onde é o meu lugar em você.

Noite passada eu contei nossa história pra quem quisesse ouvir.

Nossa história

que é

só minha.

Aug 6th, 2016