Fome de poder, lições que podemos aprender com o filme que conta a história do McDonald’s

A rede McDonald’s é conhecida em todo o mundo. As lanchonetes estão presentes em mais de 120 países e possuem atualmente cerca de 37 mil lojas.

Como tudo tem um começo, nem sempre o McDonald’s foi esse gigante. Seus primeiros passos foram simples e o filme Fome de Poder, relata a história de seu nascimento na cidade de San Bernardino, Califórnia, até o reconhecimento mundial.

Mais do que a fundação da marca, o filme fala sobre empreendedorismo e negócios. Entre suas lições, podemos citar:

A idade não quer dizer nada

Ray Kroc, responsável pela expansão da lanchonete, já tinha passado dos 50 anos quando iniciou a expansão da rede. Isso nos mostra que não somos velhos ou jovens demais para correr atrás dos nossos sonhos.

É preciso ter coragem

Os irmãos Richard e Maurice McDonald, idealizadores do primeiro restaurante da marca, tiveram várias oportunidades para expandir o negócio, mas faltou coragem para seguir. Por conta disso, Ray Kroc, que foi o responsável pela expansão da rede, arriscou tudo e acabou comprando a marca deles. Ray chega a hipotecar a sua casa para poder financiar o seu sonho.

Ninguém disse que seria fácil

Tanto os irmãos McDonald como Ray Kroc precisaram abrir mão de muitas coisas para fazer as franquias começarem a rodar. Kroc acabou se divorciando, além de quase ter perdido a sua casa. Empreender não significa perder todas essas coisas, mas pode balançar a vida pessoal e é preciso estar pronto para enfrentar isso.

Aproveite as suas ideias

O que chamou a atenção de Ray Kroc ao se deparar com o empreendimento dos irmãos McDonald foi o sistema de atendimento. Ele consistia em um modelo de serviço extremamente rápido, que em 1948 era uma grande inovação. Os irmãos McDonald limitaram o seu inovador sistema a seu restaurante apenas. Ray, por outro lado, viu o potencial do sistema e foi capaz de expandir a rede de franquias.

Você é a média das pessoas com quem mais convive

Até ser dono do McDonald’s, Ray Kroc passou por muitos problemas. Ele pediu ajuda para sua esposa, amigos e funcionários para quebrar as barreiras que iam aparecendo. Sem essa ajuda, Kroc não teria estabelecido o modelo de negócio da rede. Ao longo do filme, podemos perceber que ele se cercou de pessoas que acreditavam no seu sonho. Entre as características, elas tinham a mesma ambição que ele, e de alguma forma, ajudaram Kroc a seguir em frente.

É preciso teimosia

Por mais que eu acabe não concordando com todas as atitudes que Kroc tomou, preciso admirar a sua vontade de fazer tudo dar certo. Ele já havia tentado empreender com diversas invenções e viu no restaurante dos irmão McDonald a oportunidade de chegar onde queria. Ele insistiu até conseguir ser o dono da marca e então, se tornou um bilionário. É um exemplo de persistência.

Passei filme tendo sentimento dúbios, por ora torcia para Kroc, em outros momentos, queria que ele fosse punido por suas ações. Ao final, o filme mostra um personagem real, nos lembra que não somos personagens 100% mocinhos ou vilões como nos roteiros das histórias da disney.

O filme está disponível no Netflix. Se você já assistiu, deixe nos comentários o que achou da história e o qual lição mais fez sentido pra você.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.