Póstumo

Quão dura será

A expressão que irão me impor?

Qual dor afligirá o coração de quem ficou?

Pois se vou devendo amor

ou a nota promissória

não há mais como depor

a favor de minha memória.

Uns dirão que estou contente

com a vida que vivi,

mas quem é que acha decente

a sentença de partir?

Uns dirão que fui bom homem,

sempre muito solidário

mas quem irá me ajudar

em meu leito solitário?

Uns dirão que eu pequei

e meu fim eu mereci

mas não vêem que pecador

a morrer está ali.

Em meu velório, que não pedi

tomando café que não servi

cuspindo palavras que já não ouço

pensamentos que não debato

versos que não rimo

rimas que não desfaço

versos de desespero

de quem

jaz.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Gabriel Maia’s story.