Como uma planta mudou a minha maneira de ver o mundo

A algum tempo atrás eu e a minha namorada, a Laisa, fomos a um mercado próximo ao meu apartamento para comprarmos algumas coisas que faltavam para o nosso café da manhã.

Quando estávamos saindo do mercado nos deparamos com algumas plantas que se encontravam em uma prateleira, gostamos de algumas, outras nem tanto, mas a que nos encantou foi a mais simples e bela de todas. Decidimos levá-la para casa. Naquele mesmo dia a Laisa fez uma foto da planta junto com alguns porta-retratos que temos aqui.

Ela era simples, mas muito bela

Como ela não mora comigo eu fiquei com a incumbência de cuidar da planta, carinhosamente apelidada de Astolfa.

Os dias foram se passando e eu tratava a planta com muito cuidado, regando todos os dias, tendo cuidados com o sol que incidia nela (estamos passando por um momento de muito calor aqui no oeste paranaense), enfim, todos os cuidados que se deve ter com plantas.

Meus pais moram em uma cidade próxima a minha, eu fui visitar eles no fim de semana passado e quando regressei me deparei com a planta morta, com o caule preto e a folhas soltas. Fiquei muito triste em ver a cena, mas entendo que todo e qualquer ser vivo tem seu tempo de vida, tendo a morte de causa natural ou provocada por algum fator externo. Infelizmente algum tipo de fungo se alastrou pelas raízes da planta e ela morreu.

Apesar da tristeza causada eu tirei ela do pote e replantei alguns brotos para ver se nasceriam. Estamos aguardando ansiosamente por isso.

Mas o que realmente quero contar a vocês é o impacto que ela me causava no dia-a-dia. Quando eu levantava a primeira coisa que eu fazia era pegar a planta e regar com um pouco de água, após isso passava um café para tomar e ficava ali, olhando para a Astolfa. Eu realmente não sabia que aquilo me alegrava muito.

Querendo ou não todos nós acabamos nos estressando com o trabalho, não é mesmo? E como eu trabalho no meu apartamento com home office, quando alguma coisa me abalava eu ia até a sala, deitava na rede e ficava olhando para aquela pequena planta: tão delicada, ali, na minha frente me dando paz e calma nos momentos frustrantes. Acabei chegando a conclusão de que um pequeno ser vivo, que não pode falar e nem se mover, me trazia a maior calma do mundo, apenas por estar ali.

Quem sabe aquilo me dava calma por trazer boas lembranças de momentos divertidos? Não sei. A única coisa que tenho certeza é que as coisas mais simples da vida me dão a maior alegria. Não preciso de muito para ser feliz, apenas de algumas plantas e abraços caprichados!

"Seja o mais simples que puder, você vai ficar surpreso como sua vida será mais descomplicada e feliz" — Autor desconhecido.