Como minha vida mudou após parar de revender roupas compradas no Brás

Foi uma vida dura. Todas as Quintas-feiras eu ia rumo a São Paulo com uma grana para comprar algumas peças de roupas para revender. Era a minha atividade econômica após ficar desempregado numa antiga loja de artigos para construção.

Lembro-me como se fosse ontem. Numa das centenas de vezes que eu retornei, infelizmente nosso ônibus foi parado numa “blitz” em plena via Dutra. Para nossa surpresa, não se tratava de uma blitz e sim de um assalto digno de Hollywood.

Infelizmente, podemos até considerar o fato comum, diante das diversas vezes que lidamos com esse dia a dia, mas não foi bem pior. Essa era uma semana especial para mim porque, pela primeira vez, tinha conseguido um volume considerável de roupas para revender, pois já tinha conseguido uma boa grana depois de um bom tempo.

Eu, de maneira idiota, investi tudo que tinha numa tentativa de evitar ir os próximos dois fins de semana em que eu queria apenas poder ter o direito de desfrutar as férias com minha família, afinal, por não ter carteira assinada, eu era o meu próprio patrão e não poderia relaxar, sob pena de não conseguir pagar as contas

Aquele fato foi um divisor de águas para mim. Voltava para casa sem completamente NADA e na certeza que, dessa vez a coisa tinha ficado complicada. Só tinha alguns poucos reais guardados para eventuais emergências médicas e um cartão de crédito que me permitia tentar administrar as coisas com no máximo 40 dias. Esses 40 dias era o prazo que eu tinha para tentar retomar minha vida.

Voltar ao Brás, ao menos naquele momento era impensável, dado o medo de passar pela situação novamente, assim, passei a volta para casa pensando em alternativas.

Eu tinha medo de surtar de vez. Havia passado por um grande susto e boa parte da vida financeira da minha família estava sob minha responsabilidade.

Foi na volta para casa que prometi à minha esposa que ela ficasse tranquila que eu já tinha um plano traçado. Na verdade, não tinha plano nenhum, mas não queria deixar ela desesperada.

Após tentativas em vão em dormir, decidi levantar e fazer algumas pesquisas na internet sobre como eu poderia ganhar dinheiro. Eu precisava de uma alternativa.

Numa dessas pesquisas, me deparei com um vídeo de um cara chamado Filipe Barcellos que explicava como eu poderia continuar vendendo roupas, mas de uma maneira nada usual: eu poderia revender roupas importadas!

De começo não acreditei. Achava que era impensável, improvável e impossível. Eu estava acostumado a comprar roupas para revender e, tinha a convicção de que o caminho não poderia ser tão fácil.

Eu estava errado.

Naquela madrugada, decidi “apostar”: havia me colocado o prazo de em 40 dias conseguir fazer o curso, fazer a primeira encomenda e vender ao menos a metade, para que me permitisse pagar o cartão de crédito.

Antes de efetuar a compra, percebi que poderia parcelar o mesmo num prazo razoável. Eu acabei optando por parcelar em 10x para ter ainda mais fôlego financeiro para vender sem me endividar.

No segundo dia fazendo curso havia percebido que estrategicamente ao invés de comprar as coisas e depois tentar revender como eu fazia no Brás, eu poderia procurar os clientes, oferecer os produtos e já fazer uma encomenda 100% “vendida”, ou seja, sem medo de ficar encalhado.

As pessoas não acreditavam na novidade! Me pediram perfumes, blusas (nossa, como Nike e Hollister eram encomendadas!) e dois tênis. A única coisa que me pediram foi: pago quando chegar, ok?

Era um pedido razoável e não pude negar, afinal, era muita novidade e as pessoas estavam muito inseguras da veracidade da coisa. Aceitei e concluí o curso enquanto eu esperava a encomenda. O total, convertido para reais, rondava os R$2.000,00 (para ser mais exato, R$1.481,16) e eu, agora sim, estava apavorado: poderia perder mais uns dois mil reais por, de novo, tentar viver uma vida melhor.

Fiz tudo isso sem precisar falar em inglês, pois o Filipe havia mostrado um método absurdamente simples para encomendar. Aquilo sim foi um sonho!

Em apenas 17 dias recebi uma caixa IMENSA na minha casa. Além do Selo dos Correios, havia um selo da USPS, que é dos Correios dos Estados Unidos. Nessa hora pensei “tá quase tudo bem, preciso que as coisas estejam ali dentro de verdade”. Sim, já tinha comprado algumas coisas pelo Mercado Livre e recebi em três oportunidades, produtos não desejado (até mesmo um saco com pedras, ao invés de um videogame…).

E lá estavam: perfumes, camisas, tênis, bermudas e, claro, um presentinho para minha filha pequena e para minha esposa em duas semanas faríamos 6 anos de casados e gostaria de dar um presente duplo pra ela! rs

Após ligar para todos os meus compradores, consegui entregar tudo até o fim do dia e um saldo significante no bolso me enlouquecer: R$3.293,00.

Isso mesmo: com o dinheiro da encomenda, conseguiria pagar as compras no cartão de crédito, pagaria o curso que foi a luz na minha vida e ainda sobraria uma quantia incrível para reinvestir no processo.

Em apenas 4 meses repetindo esse processo, alcancei o LUCRO mensal de R$8.332,90.

Hoje sou eternamente grato pelo susto que tomei na Via Dutra. Não o susto em si e o medo de morrer e deixar minha família desamparada, mas a certeza de que perder tudo naquele dia, me mostrou que eu poderia alcançar algo muito maior e com muito mais qualidade de vida.

Hoje recebo várias encomendas pelo facebook e pelo whatsapp, no conforto da minha casa e consigo viajar de 15 em 15 dias com a minha família, sem preocupação: minha vida de revendedor de produtos importados me permite deixar de ficar montando barracas em feiras na tentativa de conseguir menos de R$2.000,00/mês limpos.

Se você também tem uma vida limitada como eu tinha e, gostaria de faturar bem mais e ter mais tempo para sua família, te sugiro fortemente fazer o curso que fiz. Além de abrir novos horizontes, é extremamente barato, você pode parcelar e fazer exatamente como eu fiz é só clicar aqui.

Boa sorte na sua nova jornada!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.