O Jornalismo na época das redes sociais

O jornalismo, ao longo das últimas décadas, vem tendo importantes transformações na divulgação do conteúdo jornalístico e da maneira de produção. O surgimento da internet e das mídias sociais interativas contribuíram significativamente para que essas modificações ocorressem de forma mais ampla. Com o avanço das novas tecnologias, o jornalismo também se adaptou aos novos tempos. Fazer notícia para o jornal impresso já não é mais o suficiente, muitas pessoas já deixaram de ter o hábito da leitura nas páginas físicas de um jornal. E acabaram trocando as folhas do impresso pelo touch screen do smarthphone, que através de um único clique é possível atualizar-se do que está acontecendo no bairro, na cidade, no país, no mundo. Não há limites geográficos para a Internet, é possível informar-se de um fato que ocorreu do outro lado do mundo rapidamente.

O grande desafio em unir o jornalismo com as redes socais é produzir e compartilhar conteúdos sem perder o foco da notícia. A linguagem que é utilizada no jornal impresso não é a mesma que deve ser usada nas redes sociais. Para o jornalismo online, o tempo de produção da notícia é o mesmo do acontecimento, o repórter pode ir atualizando as informações à medida que elas vão acontecendo. A redação deixou de ser o local onde o jornalista precisa voltar para escrever. Hoje, com o auxílio dos dispositivos móveis, como notebooks e smartphones, o repórter pode produzir seu material em qualquer local. São profissionais definidos como jornalistas móveis que produzem as notícias de forma totalmente multimídia, elaborando fotos, áudio, vídeo e texto.

O jornalista também precisa estar aberto para a interação com os leitores. Se, antes, nos jornais impressos, o canal de participação do leitor era a sessão de cartas, nos portais de notícias, essa possibilidade vai desde as informações das notícias mais lidas do site até os comentários deixados nas matérias. Tudo isso deve ser levado em conta pelo profissional hoje. Com essas informações, é possível saber o interesse da audiência e que tipo de material poderia continuar sendo publicado nos dias seguintes.

Atualmente, a rede mais utilizada em todo o mundo é o Facebook, criado em outubro de 2003, por Mark Zuckerberg. O Twitter foi fundado em março de 2006, pela Obvius Corp. No Brasil, a rede é uma das principais usadas pelos jornalistas no trabalho de averiguação das notícias, porque, além do texto, os perfis ainda podem divulgar fotos e marcar os assuntos com hashtags, permitindo o controle e acompanhamento da sucessão dos fatos. Também é uma das ferramentas que os veículos de comunicação usam para interagir com seus leitores, seja pedindo sugestão de conteúdo, ou oferecendo ao leitor assuntos que possam ser de sua vontade, assim tornando muito mais interativa a relação com o público, e tendo um feedback quase que instantâneo das notícias publicadas.

O jornalismo acompanha as mudanças da história e se adapta a elas, sendo usado de diversas formas, com interesses distintos. O que não se altera com o passar do tempo é o princípio de informar e dar ao leitor notícias de interesse, utilizando critérios de noticiabilidade e de seriedade na sua elaboração. As redes sociais contribuem para esse novo formato de jornalismo focado na interação e, se utilizadas com planejamento e seriedade, podem ser uma importante estratégia para que os veículos fiquem mais próximos da audiência e fidelizem o seu público. Não se trata mais só de disponibilizar as notícias para o leitor, os jornalistas, agora, precisam estar preparados para receber o feedback com rapidez e conseguir filtrar as informações repassadas através das redes sociais.

Desse modo, com o avanço do jornalismo online e com a busca constante pela rapidez na publicação das notícias, as redes sociais se tornam mais uma ferramenta do jornalismo colaborativo, mas não podem garantir, sozinhas, toda a fonte de informação. Um bom jornalista precisa saber utilizar as ferramentas de forma correta e filtrar as postagens mais relevantes e checar os fatos para comprovar a veracidade.

Confira no áudio abaixo, entrevista com o jornalista Eduardo Erthal, que trabalha diariamente com as redes sociais em sua rotina jornalística.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Júlia Heimerdinger’s story.