Quando eu percebi que o amor próprio é o que nos permite aprender a amar os outros:

“Quando o cílio cai do olho e não tem quem pegue

Que encoste no seu dedo e divida um desejo

Ao desejo de ser livre se entregue, a independência bate a porta, o seu eu te espera, ser feliz é o que importa

C’est la vie eu vou mudar, o conformismo afastar

Abro mão da liberdade se por mim for e por amor ? Por amor…

Essa sombra que me segue vem de mim, lá de dentro, do profundo, de onde não tem fim

E assim pergunto: é com você que eu quero estar ? Ou eu preciso mesmo é me amar ?

Então eu grito: é por amor sim, amor por mim, quem mais me faz sorrir, me faz dançar, me faz pular, é esse alguém que vou amar !”