uma carta em busca de paz

Oi, você por aqui? Quanto tempo que eu não te vejo! Faz um ano já né? Como o tempo passa, meu deus. Você pode não acreditar mas eu te superei, bom, não totalmente, sabe? Eu sempre acreditei que existem pessoas que passam pela nossa vida que por pior que os danos que elas tenham causado sejam, a gente nunca as supera. Como um dos livros de poesia mais impactantes que eu já li disse em um poema, tem pessoas tão egoístas que para elas a sua existência não é nada em comparação a curiosidade que elas sentem por você.

É, é verdade, mas tem vezes que não importa o tamanho do egoísmo que aquela pessoa contenha, ela nunca vai embora totalmente, não importa quanto tempo passe. E tudo que você viveu com ela, fica, os planos, os sonhos em comum, as discussões sobre assuntos que você só se sentia confortável pra conversar com ela, os beijos molhados de chuva durante a noite, as palhaçadas que só vocês entendiam, enfim, tudo fica. Na maioria das vezes, a gente quer fugir de todas essas lembranças e apagar tudo pra poder recomeçar do zero. Porém, por mais doloroso que seja, a gente precisa entender que o processo ‘superação’ não tem tempo pra acabar, até porque nós nunca superamos, de fato.

Não importa, o quanto a gente tenta se convencer do contrário. Não importa se você excluiu aquela pessoa do facebook ou se você apagou todas as fotos e conversas. Não importa se você conheceu outras pessoas — porque no fundo, você compara todas elas a aquela pessoa. Mas a gente insiste em tentar, porque parece ser a única forma de recomeçar.

No entanto, eu vou compartilhar com você, um dos conselhos mais valiosos que a minha melhor amiga me deu. Guarde com carinho, por favor, significa muito pra mim. Pode espalhar, tá? Mas mantenha pra você, internalize. Então, uma vez quando eu me ‘apaixonei’ pela pessoa certa no momento errado, quando eu tava no quarto dela, chorando feito um bebê, querendo fugir de toda aquela angústia que eu sentia — ainda sinto, em momentos de crise, admito, ela me olhou e me disse que eu precisava daquilo. Eu realmente não entendi, mas ela me explicou que a gente se fecha tanto pra sentir os sentimentos ruins e então eles ficam ali, nos assombrando e se fazendo inquilinos onde não pertencem.

Parece que desse dia em diante, minha vida passou a fazer sentido. Eu precisava achar uma maneira de lidar com aquilo de vez, por mais sofrido que tenha sido lidar com uma dor que parece impossível de lidar, ainda é menos do que tentar ignorar. Pode parecer bobagem, mas para e pensa, ignorar já deu certo, 100% pra alguém? É assustador no começo, não vou negar, mas é gratificante, mesmo no durante. Então, tente, se jogue e se arrisque tanto quanto ou mais você fez por aquela pessoa que não chegou nem perto de te merecer e merecer todo o brilho que você carrega dentro de si.

É isso, essa é minha carta pra você. Mas, mais pra mim mesma. Foi bom te rever! Nós não demos certo, mas espero que você tenha uma ótima vida. Eu não te superei e nem vou te superar, porque eu não preciso esquecer, eu só preciso de uma nova perspectiva. Até logo, estranho.

Assinado: uma estranha qualquer que busca paz.