Dia da adoção

Caminho sem volta.

Quem já resgatou um animal de rua sabe. O primeiro suspiro que o bicho dá ao chegar na tua casa é música. É amor, gratidão, esperança. É o tão esperado descanso. É a segurança falando “até que enfim”.

A confiança sendo conquistada ou reconquistada. Trabalho diário ou às vezes só de algumas horas.

Tem ser mais resiliente que bicho não humano?

Ver os efeitos do abandono, das ruas, do descaso e dos olhos humanos desviados, finalmente indo embora. As pulgas e carrapatos, a pelagem feia, os ossos aparentes, a fome exacerbada.

E então ele te adota como o salvador. Aquele que deu o que tanto ele queria. Te segue até no banheiro. Pede carinho, pede colo. Dá carinho e mostra a inesgotável capacidade de agradecer por ter tirado ele das ruas e do medo e insegurança constante. Esse pequeno ser que, sem palavras, diz tanto. Ensina tanto. Doa tanto. A partir desse momento tu nunca mais vê um bicho na rua sem empatia. É impossível. Essa é a parte ruim da história… infelizmente não é possível salvar sempre que avistamos um. A dor é imensa. A sensação de impotência é gigante. A raiva é sem tamanho. As lágrimas são incontáveis. Mas sei que ainda há esperança. Toda a vez que vejo um “sem raça definida” passeando com seus tutores eu agradeço mentalmente aqueles seres que puderam olhar além da vontade de ter a raça X.

Não existe nada mais fiel do que a relação de um cão com o humano.

Se desejo algo bom pra alguém? Tenha o privilégio de resgatar um bicho da rua.

#adote #diadaadocao