Uphill Marathon 2017 como foi?

Cerca de quase 600 pessoas conversavam, faziam um selfie aqui e acolá, abraçavam e desejavam sorte ao amigo, conhecido, parceiro de treino, assessoria, enfim, clima descontraído, alegre, mas ao mesmo tempo, muitos ali eram novatos no desafio, e mesmo os "experientes" sabiam que a Serra não seria para todos, 100% não chegariam no tempo de 6h na linha final, existia sim uma tensão no ar.

Quando o sol raiou e iluminou o lindo paredão verde, rufaram os tambores… aberta a contagem regressiva, liga o GPS, cumprimenta novamente quem está ao lado, agita-se um pouco (braços, pernas e pescoço) e foi dada a largada, gritos de alegria e desespero se ouviu, agora só os fortes chegariam.

Os primeiros km's ainda muita gente correndo junto, eu preferi correr sem fones, queria ouvir a respirada e a passada de cada um que estava ao meu lado, saí entre os últimos, pois a ideia era só ultrapassar e não ser ultrapassado (só a ideia), muito lindo de se ver nas primeiras retas, aquela galera de pisada forte e respiração ofegante para aquecer e encontrar cada um seu ritmo ideal, alguns nas primeiras descidas aceleravam mais do que deveriam, mas faz parte a empolgação… lá na frente, depois de 30km tudo iria mudar.

Saí mais devagar do que planejei, confesso que estava com muito medo da serra, corri alguns km's com alguns conhecidos e quando senti que poderia acelerar mais, buscava outros parceiros na estrada e assim continuei até passar o "corte", temido por boa parte dos atletas, passei com 31min de "crédito", já no km 27 numa descida forte, senti uma leve fisgada na maldita panturrilha, tive que mudar a passada e segurar mais, decidi que o importante era chegar em 6h com o risco da lesão, a meta de ser sub 5 estava comprometida.

Foram cerca de uns 5 a 8 km mais lento até encontrar a pisada que não machucasse ou ferrasse de vez, até que deu certo, porém, a serra deu as boas-vindas, agora seria só subir e subir, não tinha mais descidas, mas o meu desafio com a panturrilha era descer, então tudo sob controle, vamos colocar em prática o treino de caminha > corre e assim você vai vencendo cada metro dos 42 mil.

O vento na serra que poderia ser um grande adversário não se fez presente, e o sol era o convidado especial do evento, creio que havia um para cada atleta, ele estava disposto a bronzear todo mundo, a intensidade dependeria se você se protegeu ou não, eu estava salvo, mas ele queimava e doía (não era o amor), a cada metro para frente era também para cima, a perna pesava, o ar "faltava", mas a beleza do lugar, o dia, a vibe do evento tudo compensava e superava a dificuldade, seria questão de tempo chegar, então vamos aproveitar e viver esse tempo intensamente.

A partir do km 30 havia hidratação a cada 2,5km, mas essa distância parecia uns 10km subindo naquele sol rsrs, eu decidi que onde houvesse energia eu ia buscar, foi assim na coca-cola, nos géis, isotônicos, cartazes (alguns locais incentivando faz toda diferença), agradecer a eles e vibrar com eles é muito bom, confesso que mesmo cansado, doendo estava feliz demais de estar ali e já querendo voltar, não queria que acabasse, o lugar é mágico.

Faltando uns 5 km, tendo ainda quase 1h, imaginei que daria sub 5, comecei a acelerar a passada, tentar correr alguns metros, tangenciar dentro do limite, mas quando cheguei no km 40, vi que não ia dar, então era hora de fazer o melhor e chegar, encontrei um parceiro de SP que me incentivou para correr no último km, mesmo sendo "plano" não tinha forças, mas conseguimos correr para chegar mais "bonito na foto".

Deitar-se no chão após tanto esforço é recompensador, eu precisava de mais coca-cola, peguei de outro cara que estava por ali, era um gole, mas acho que tomei tudo, um dos staffs da saúde me conduziu até o local fechado que tinha de tudo para se recuperar (massagem, água, coca, feijão, chocolate, frutas, etc.) estrutura sensacional. Aos organizadores meus parabéns, prova fantástica e tudo correu muito bem, quero voltar.

Um evento como esse tem outros momentos que o tornam ainda mais especial e inesquecível, viajar com amigos e parceiros de treinos, reencontrar amigos do Brasil todos (Comrades), o jantar pré-prova com a turma de outros eventos, acompanhar a largada dos 25km e Desafio Samurai, conhecer lugares novos… Enfim é muita coisa bacana que se vive intensamente e torna tudo mais indescritível.

#UPHILLMarathon #LifeWell #Cerfisa #Comrades #OsMadrugadeiros #ComandosBrasil #A2C

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Joao A F Andrade - UTLC’s story.