O incrível teste

Só resolvi escrever para testar a ferramenta mesmo, mas como tenho um alto poder de encher linguiça, esse pode acabar se tornando um texto relevante pra você.

A questão é simples: o que faz um texto ser considerado um bom texto ou não? Parece que existe um grande debate em relação a esta questão, embora aparentemente, não se consiga chegar num consenso.

Existem textos argumentativos excelentes, onde o autor se contorce em palavras (e as vezes também contorce a história) para tentar provar o seu ponto. Outros no entanto, visam tão somente trazer informações que levem o leitor à reflexão, para que o mesmo chegue sozinho às suas próprias conclusões. Existem ainda aqueles que são tão chatos que os leitores nem se quer terminam de ler.. Minha impressão é que estes são os mais comuns hoje em dia.

Acontece que em um mundo cada vez mais cheio de informações e diversas fontes, aparecem aos montes os tais “donos da verdade”, que nada mais são do que aquele sujeitinho que leu uma meia duzia de manchetes sobre um determinado tema e já se acha o experto no assunto.

Parece que ainda temos muito pano para as mangas por aqui, senhor!

E é sobre isso que eu queria falar! Encher linguiça é realmente uma arte e tanto. Eu mesmo conheço um caso onde se encheu tanto que quase que um texto sem objetivo nenhum se torna um grande clássico e recorde mundial no tema. Abaixo uma foto completamente aleatória de uma janela.

As pessoas hoje estão tão famintas e tão habituadas a consumir conteúdo, que consomem qualquer coisa! Literalmente, qualquer coisa. E ainda saem por ai compartilhando como se fosse a única verdade nesse mundo tão cheio de dúvidas e questionamentos. Todos nós temos uma montanha de dúvidas e questionamentos sobre a vida, sobre os relacionamentos, trabalho, hobbies e lazer, e principalmente sobre a morte. Ou seja, praticamente tudo. Tudo que acontece do momento em que chegamos aqui, até o tão temido momento em que iremos embora, gera um turbilhão de dúvidas e questionamentos sem fim. É esse turbilhão que, na minha opinião, fomenta tanto conteúdo e tanto conteúdo vazio hoje por ai a fora.