O primeiro passo.

É a primeira vez que me aventuro a escrever algo pessoal. Mas estou iniciando uma jornada na minha vida e acho que vai ser legal pensar sobre tudo que está acontecendo.

Nos últimos três anos estive trabalhando em uma empresa um pouco diferente da maioria das empresas, pelo menos aqui na cidade (Sorocaba). Uma empresa de tecnologia, que é uma das principais plataformas para quem quer vender conteúdos digitais. Aquela velha história de: deixe seu email aqui e baixe nosso e-book, em seguida uma enxurrada de emails…

Lá não tinha horário fixo, não devia muitas satisfações, tinha liberdade para desenvolver muitas coisas, outras nem tanto, mas é um lugar com um ótimo ambiente para se trabalhar, com pessoas, no geral, muito legais.

Entrei como videomaker, não sabia quase nada da área, mas aos poucos fui aprendendo muita coisa.

Mas depois de três anos, meu lugar ali foi ficando incômodo, eu sentia que precisava de algo que preenchesse meu coração.

Foi quando minha esposa me indicou um vídeo do Gustavo Tanaka e comecei a ouvir o que ele dizia. Então a inquietação passou ser maior a cada dia.

Ele falava de ouvir o coração, e eu percebi que eu não sabia mais o que era isso. Sentia dentro de mim que as coisas não iam para um caminho que me fizesse feliz, e nem era pelas coisas que estavam fora, era dentro mesmo.

Então tomei a decisão de sair do meu emprego (nem faz tanto tempo, foi semana passada). Decidi tentar essa coisa de seguir o coração, que parece tão óbvio, mas as vezes tão distante.

Decidi que iria me entregar ao risco de tentar, mesmo sem saber exatamente para onde ia. Optei por não mais deixar o medo guiar meu caminho.

Este está sendo meu primeiro passo, me abrir para a vida como ela se apresentar, aceitando os convites que me chegam, e na hora de optar por este ou aquele caminho, consultar meu coração.

O Gustavo, fala muito sobre estar atento as sincronicidades, e já as vejo acontecendo, algumas propostas de trabalho já aparecem, e começo a sentir um fluxo de vida pulsando em mim.

Sinceramente, não sei onde esse caminho irá me levar, mas estou curtindo esse mundo de possibilidades.

Se algo aprendi até aqui, é que quando deixamos o medo de lado, a vida brilha de outra cor, o ar se torna mais leve e o coração bate cada vez mais alto dentro do peito.