Quando o pior acontece, o que fazer?

A vida é uma sucessão de pequenos e grandes problemas e a boa notícia é que eles não duram para sempre. A vida é assim, um processo de aprendizado em que devemos tomar sempre atitudes em relação ao que acontece.

Mas como tomar uma atitude? A primeira coisa a fazer é definir claramente o problema ou dúvida que você tem. O que exatamente está te preocupando? O que está tirando seu sono? Mapeie detalhadamente a sua situação. Podem ser problemas financeiros, problemas de saúde, problemas na vontade, problemas nas ambições, nos ideais, na empresa, na reputação, na família, nos afetos e problemas de esquecimentos e abandonos — whatever.

Na sequência, faça um exercício de imaginar o pior cenário possível sobre o seu problema. Se pergunte: qual é a pior coisa que pode acontecer nesta situação? Não se trata de ser pessimista, mas seja franco e honesto com você mesmo. Você pode perder dinheiro, seu relacionamento, clientes, alguém ou alguma coisa que realmente importa para você.

Se tudo já se desfez, o que é a pior coisa que ainda poderia acontecer? Então, diante disso, é entender, aceitar e enfrentar. Tendo em mente o resultado e consequências do pior cenário, agora você pode ir através do exercício mental de aceitar que isso aconteceu ou que vai acontecer, não importa o que você fez ou faz. Não estou falando apenas em se conformar, mas em focar na solução! A coisa notável é que, logo que você parar de resistir contra o inevitável, você vai relaxar, sua mente vai limpar e sua capacidade de lidar com a situação irá melhorar drasticamente.

Comece imediatamente a melhorar mentalmente o pior cenário, que você já aceitou que pode acontecer. Olhe para seu problema “de cima” como se estivesse olhando um “tabuleiro de xadrez”, como que se não fosse com você. Jogue todos os seus recursos mentais para criar saídas para minimizar o impacto do problema ou resolver a dificuldade. Concentre no futuro, não culpe o destino ou arrume culpados, pense sem desespero apenas sobre a questão central: O que eu vou fazer agora? Como posso minimizar as consequências? Qual é o primeiro passo que posso tomar? E o segundo passo? E o terceiro passo? Assim por diante.

Após montar a estratégia mental, tome ações reais no sentido de ir em frente. A sua atitude pode ser no sentido de dar dois passos pra trás para pegar impulso, pode ser no sentido de avançar quatro passos imediatamente, enfim, você é quem tem que tomar a atitude da sua vida, por mais longa e dolorosa que seja a decisão e recuperação. Mas o que não pode fazer, é não tomar nenhuma atitude!

Quem perde alguma coisa que tinha como garantia, acaba se dando conta de que nada lhe pertence.

A chave é pensar com antecedência para antecipar e se preparar no sentido de minimizar o desgaste e as consequências. Não deixe para decidir apenas na hora que não tiver mais saída! Mas atenção, esteja preparado sempre, pois assim como em um treinamento de luta, que você treina e se prepara para os possíveis contragolpes que vai levar, mas mesmo assim, de vez em quando ainda recebe um nocaute inesperado.

Mantenha seus pensamentos para onde você está indo e pode ir e não sobre onde você esteve. Mantenha seus olhos nos próximos objetivos, seja disciplinado, tenha humildemente o queixo inclinado para cima em direção ao sol. Resolva com antecedência o que você pode enfrentar pela frente e supere todas as dificuldades.

Não importa o problema, seja resiliente, tome uma atitude e nunca desista. Se você não controla o que acontece em sua vida, pelo menos pode controlar sua atitude em relação ao que acontece com ela.

Like what you read? Give João Kepler a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.