Para meu unicórnio azul supapo

“Mi unicornio y yo hicimos amistad,
un poco con amor, un poco con verdad.
con su cuerno de añil pescaba una canción,
saberla compartir era su vocación.”

Tenho a impressão que quando nós olhamos para/falamos sobre o outro, seja bem ou mal, no fundo, acabamos refletindo um discurso de nós mesmos; é um mecanismo tão egoísta quanto inconsciente. Mesmo atento a isso, não farei esforço algum em outra direção, quero sim falar de você, quero ainda mais falar de mim, em especial, o quanto a sua travessia na minha vida irradia coisas boas e possibilita, que dia-a-dia, eu me sinta motivado a ser alguém melhor.

Confesso que me aterroriza como temos tão pouco controle das nossas conexões, lembrar como começaram não costuma ser complicado, mas a maneira que elas evoluem furtivas e, de repente, tomam proporções gigantescas é que me assusta. No seu caso, um susto bom, só possível por culpa da minha miopia anterior. Não me doessem os ciúmes, apostaria o pouco que tenho com quem quer que duvidasse, como é impossível provar da sua presença doce por meros cincos minutos e não se encantar para toda uma vida.

Esse encanto por você é a nascente de uma vontade teimosa, que pulsa firmemente o coração e me percorre todas artérias: ser melhor pessoa hoje do que fui ontem. Por você, mas não só para você, para o mundo. Não é algo vazio, de querer ser forte, ultrapassar limites, impressionar os outros. Pelo contrário, da maneira que você me afeta, sinto vontade de assumir as minhas fraquezas, admitir minhas falhas, não quero o extraordinário, quero é relaxar os ombros, retirar a máscara, diminuir o ritmo. Ser mais cru é pesar mais, e oferecer essa existência pesada a quem me oferece tanta leveza me parece tão injusto. Desde aquele Rubem Braga, o espelho ainda me dói, mas é mais fácil ser o corcunda, o que nunca será simples é querer a Vênus.

Eu fiz, do meu jeito, todo tímido, uma oficina de corpo da Carol. E, no fim, ela propôs que cada um escolhesse entre pedacinhos de natureza, algo em que nós nos reconhecêssemos e algo que nós gostaríamos de presentear alguém numa ocasião especial, eu pensei em você e acho que essa é a hora. Eu não fiz duas escolhas, aquilo que em que me vi é a mesma coisa que gostaria de te dar. Uma raiz, cada dia mais seca, ramificadinha de maneira desigual. Olhando aqui agora pra ela no cantinho da minha janela, só consigo pensar em como é tão sem sentido uma raiz fora da terra, não quero dizer nada de especial com isso, quer dizer, o único sentido dessa raiz agora é um gesto de carinho por você.

Odeio essa dificuldade em expressar sentimentos, ter gestos tão tímidos, precisar calcular tanto cada movimento; mas isso é uma das grandes mudanças que você me causa, um outro joão efusivo, espontâneo, alegre e leve está aqui dentro cada dia mais forte. Lutando para quebrar essa casca, sentir-se livre e tudo isso graças a você.

Agradeço por ser esse Sol, que inspira tanta gente a orbitar cada dia melhor. E, por fim, do fundo do meu coração, só peço uma coisa; Não seja tão dura consigo mesma. ❤

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.