Sobre como nos apaixonamos e fomos ver o pôr do sol na praia

Eu olhei pro mar. Aquela imensidão me assustava. Segurei firme em tuas mãos. Tudo o que eu queria era estar naquele local. Com você. Sonhei tanto com isso. Ali na praia eu te pedi em namoro. Aquele local quase vazio, o mar naquele indo tom de azul. Você disse não. Eu disse que tudo bem. Começa a chover. Recorda-se do que aquela senhora nos falou? “Tudo que é pra ser, acontece”. Será que isso vale pra gente? Será que temos um amanhã? Continuamos a subir. Pra mim, aquele era o melhor momento da minha vida. Lá de cima tínhamos uma vista ainda mais bonita. Mas pra mim, nada era mais bonito do que o fato que eu podia te olhar. Te beijar. As ondas quebravam nas rochas. Você contou uma piada que me fez rir por muito tempo. Você sabe que eu sou muito bobo. Voltamos e sentamos na areia. Abrimos uma cerveja. Já te disse que esse é o melhor momento da minha vida, né? Mas preciso repetir. Você diz que aceita. Pergunto o que. Você diz que sei do que está falando. Você diz ter frio e eu te dou um abraço. Eu digo que minhas costas doem e você me faz massagem. Me apaixonei. Fazer o que, como diria o Teco. Não li a bula. Espero que não tenha contra indicações. Saímos de mãos dadas. Tudo o que eu queria era que esse dia não acabasse. Em cada beijo eu podia sentir meu coração se acelerar. Foi tão intenso. Queria viver uma história inteira contigo. Fazer um livro. Não somente uma crônica. Cada vez que tu sorria, meu coração se fazia calmaria. Em contraste com o mar agitado. Posso citar que um cachorro tentou roubar nossas coisas, puxando a canga esticada. Temos uma foto para registrar o momento. Colocaria em um porta retratos. Mas já ficou registrado em meu coração. Você sabe que eu adoro clichês. Feito quando você deitou comigo, antes de dormir. Ficamos alguns minutos de conchinha. Você, sempre quente. Tão aconchegante. Nos entrelaçamos de uma forma linda. Eu sei que você odeia frases feitas. Mas a nossa sintonia destrói todas essas diferenças. Se você não estivesse tão longe. Se pontes aéreas pudessem ser a solução. O meu sorriso seria contínuo. E o meu amor mais presente. Mas um dia. Já cheguei até aqui. Por que não? Sei que a sensação de olhar para trás e ver nossos passos na areia, lado a lado, me mostrou o quanto coisas simples me fazem a pessoa mais feliz do mundo. E não termino essa crônica na despedida, mas sim no momento onde você disse que gostava de mim. Eu te olhei e você continuava sorrindo…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.