Da Antuérpia a Londres: 425 vencedores e a história de um país

Depois da análise do livro “Atletas Brasileiros Olímpicos” de Katia Rubio, jornalista, psicóloga do Esporte e professora de Educação Física na USP, diversos aspectos puderam ser depreendidos a respeito da trajetória olímpica brasileira, desde a primeira medalha em 1920 na Antuérpia até a última em 2012 na capital do Reino Unido. Nas 30 edições, 425 brasileiros foram agraciados com um lugar no pódio. Foram 370 medalhas em esportes coletivos e 55 medalhas de esportes individuais. Sendo divididas em ouro, prata e bronze da seguinte forma:

Segundo o Comitê Olímpico Brasileiro, o objetivo da delegação do Brasil nas próximas Olimpíadas, que acontecem em 2016 em terras brasileiras, é de obter pelo menos 30 novas conquistas, aumentando assim 13 medalhas em relação a Londres-2012, quando o desempenho foi de 17 subidas ao pódio. sendo três de ouro, cinco de prata e nove de bronze. O coordenador de ensino do COB, Antônio Carlos Gomes afirma que o Team Brasil necessita de uma melhora em seu desempenho, principalmente pelos jogos serem disputados aqui. “Miramos a marca de 30 medalhas e, claro, identificamos os esportes individuais como os nossos pontos fracos, observando as nossas últimas participações”. Tomando como base as últimas cinco participações brasileiras, o número 30 medalhas seria um marco histórico para o país, visto que em Atlanta-96 conquistou 15; Sidney-2000, 12; Atenas-2004, 10; Pequim-2008, 15 e, finalmente, Londres com 17 medalhas.

Medalhas por Estados

Das 425 medalhas conquistadas pelos brasileiros em Jogos Olímpicos, existe uma concentração de conquistas em três estados: São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Os números indicam que a maioria das medalhas brasileiras veio de clubes dessas terras. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, esses mesmos estados figuram entre os 6 com a maior renda per capita do país, sendo que São Paulo é segundo colocado e o estado com o maior número de medalhas. “Os clubes desses estados possuem um poder aquisitivo maior, o que faz com que os atletas possuam maior infraestrutura para treinos e condições melhores para desenvolverem seus trabalhos e atividades.” afirmou o assessor de imprensa da SOGIPA, Fabricio Falkowski

Ao mesmo tempo que existe um grande número de medalhas provenientes do território brasileiro, muitas outras contam com o apoio e colaboração de clubes de fora do país. A Itália é a principal fonte dos atletas brasileiros são 15, quase o dobro de medalhas conquistadas por estados como o Paraná, Santa Catarina e Minas Gerais. Além do apoio de clubes estrangeiros, algumas medalhas também foram vencidas por atletas de fora como mostra o mapa abaixo:

Estados Unidos, Japão, El Salvador, Venezuela e Reino Unido são alguns dos países que tiveram atletas naturalizados brasileiros e colaboraram para a história olímpica do país. No total são 16 conquistas estrangeiras, número que corresponde a 3,7% das medalhas brasileiras em Olimpíadas. Um percentual pouco significativo conforme afirma a autora do livro "Atletas Olímpicos Brasileiros",Katia Rubio. "A maioria dessas medalhas foi conquistada nos primeiros jogos, onde o Brasil não possuía muitos atletas e muita infraestrutura. Abrindo a porta para o estrangeiro".

Gaúchos nas Olimpíadas

A história gaúcha nas Olimpíadas é longa, mas ao mesmo tempo curta. A primeira medalha apareceu em 1920 na Antuérpia, Bélgica. O atleta foi Dario Barbosa, que conquistou o bronze no Tiro por equipe.

Quem foi Dario Barbosa?

Ele nasceu em Porto Alegre, em 21 de julho de 1882. Participou de inúmeros campeonatos de tiro. Foi aos Jogos Olímpicos e conquistou a medalha de bronze no tiro por equipe na prova de pistola livre. Era médico e faleceu em Porto Alegre em 25 de setembro de 1965 com 73 anos.

No entanto, a colaboração gaúcha no quadro de medalhas brasileiro parou por aí no mínimo por 64 anos. O Rio Grande do Sul voltou a subir no pódio apenas em 1984 nas Olimpíadas de Los Angeles. Naqueles jogos foram 10 medalhas, todas de prata. Desde então, os gaúchos não falharam mais e deixaram as suas marcas em todos os Jogos Olímpicos. Da Bélgica para Londres, em 2012, foram 37 medalhas, número que corresponde ao percentual de 8,9 de todas as medalhas brasileiras.

As últimas medalhas foram na Inglaterra em 2012. Das cinco, quatro foram no vôlei e apenas a de Mayra Aguiar foi em um esporte individual, o judô. A judoca subiu ao pódio na terceira posição e conquistou a trigésima oitava medalha gaúcha na história. "Não penso em sair do meu estado, me sinto muito bem aqui e na SOGIPA, onde eu treino. Aqui tenho minha família e o calor das pessoas que me reconhecem nas ruas. É um orgulho pra mim representar meu estado".

Quem é Mayra Aguiar?

Mayra Aguiar da Silva nasceu no dia 3 de agosto de 1991 em Porto Alegre. Começou a praticar judô aos 6 anos na escola onde estudava. Mayra já participou de 3 Pans Americanos, inclusive conquistando duas medalha de bronze e uma de prata. Além disso, vai para a sua terceira Olimpíada, tendo conquistado uma medalha de bronze em 2012.

O Livro

“Atletas Olímpicos Brasileiros” é um livro de Katia Rubio que reúne todos os participantes brasileiros em Jogos Olímpicos. O escrito cataloga 1,797 atletas desde a primeira olimpíada até a última, Londres-2012. “Foi bem complicado realizar esse livro. Precisei de muito tempo para reunir tantas histórias diferentes e em épocas bem distintas com até mesmo dificuldade de encontrar os dados”. O objetivo de Kátia é disponibilizar subsídios para que as pessoas tenham conhecimento sobre a vida olímpica brasileira.

O livro é fruto de 15 anos de pesquisas da docente da EEFE e da equipe do Grupo de Estudos Olímpicos do Centro de Estudos Socioculturais do Movimento Humano da Escola. O trabalho é inédito tanto para os padrões brasileiros como para os internacionais e a ideia é continuar a pesquisa nas próximas edições dos Jogos Olímpicos, lançando novas edições da obra no futuro.