Um dia de Verão

Num dos raros dias que funcionou, o despertador rouba-me mais um sonho. Tarefa a que está acostumado grande parte do ano mas não agora, não durante esta altura. Levanto-me, já sem me lembrar o que o toque tranquilo mas persistente me levou. Apresso-me para um mergulho pois dessa forma sei que o sono me vai deixar em paz. Pelo menos durante umas horas!

É hora de almoço e tenho a felicidade de me deleitar com o meu prato preferido. Os pequenos peixes estiveram na grelha o tempo que precisavam de estar. Lá colocados por alguém que, sem nunca ter sido ensinado, sabe qual o tempo que eles precisam.

Comigo estão algumas das pessoas que melhor me conhecem. Das pessoas com quem mais aprendo sem me quererem ensinar. Tudo é familiar. As pessoas, o espaço, o cheiro, o som… Ao contrário do sonho da manhã, aqui lembro-me de tudo. Desde recordações longínquas, memórias recentes, emoções de ternura e também de saudade, mas sobretudo de felicidade.

Parto para a praia, os professores da manhã já não estão comigo, mas não estou sozinho. Continua ao meu lado quem mais me conhece e quem ainda está por conhecer, por descobrir. Mais tarde, quando o sono interrompe a sua sesta, chega a pessoa que com toda a sua diferença é a que comigo mais parecida é. Falamos, rimos e mergulhamos até que o sono acorda de vez e nos obriga a calar.

Não estou sozinho, mas de vez em quando faço por me perder ficando apenas acompanhado pelo mar. Que bela companhia que és! E hoje trouxeste-me um grupo de golfinhos que presenteou todos os que naquela praia passavam um dos melhores dias deste Verão. É, para mim, inexplicável e espantosa a atracção que estes animais provocam. Verdade é que miúdos, graúdos, portugueses e estrangeiros todos pararam durante um par de horas a olhar para os incontáveis repuxos, saltos e piruetas. Que divertida maneira de caçar e comer!

Mas nem todos estavam contentes com o festim. Os homens da “Arte” queixam-se que os golfinhos lhes roubam aquilo que com tanto esforço procuram.

Mais tarde, um outro acompanhante decide sair. Como, sem falhar, todos os dias o faz. Não tem grande atenção à pontualidade nem se preocupa com os demais mas podemos contar sempre com ele. É previsível mas de uma boa maneira. Mesmo quando não o vemos ou sentimos, sabemos que lá está.

E quando ele sai, acaba também um dia de Verão…

…apenas para começar uma das muitas noites!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.