OneArtDv — Galeria Vermelho

OneDv

20/04/2010

Fotos: Leandro Furini

Texto: Joe Borges


O OneDv mais uma vez esteve presente em um belo evento na Galeria Vermelho, tradicional espaço de exposições e outras frescuras que a mulecada adora, na Avenida Minas Gerais, próxima ao túnel em que a Av. Paulista desemboca na Av. Dr. Arnaldo. Só pra situar melhor você leitor, a exposição reuniu diferentes obras, performances curiosas e um espaço apertadíssimo e que continha duas rampas, uma de frente pra outra e sem coping numa sala recheada de adesivos de diferentes tipos. Além disso,o de sempre: cerveja e caipirinha de vodka a preços duvidosos.

Ao chegarmos no evento, nos deparamos com um número razoável de pessoas do lado de fora e algumas figuras conhecidas, já fomos em busca de uma cervejinha e em direção às rampas. É ai que a coisa ia comeaçar a ficar foda. As rampas ficam num espaço minúsculo, apertado, pequeno e ligeiramente claustrofóbico. Caos por toda a parte, havia uma geladeira velha que qualquer um podia espancar até a “morte” e pessoas aleatórias só observando o espetáculo. Para pegar impulso, você tinha que remar da parede em direção à rampa, não havia drop. Com apenas alguns minutos de sessão, as rampas já mostraram toda sua fragilidade, a cada Ollie ou Kickturn mais forte, um buraco novo se abria, digamos que mais da metade desse estrago deu-se graças ao nosso correspondente de Natal, Leo Fagundes. Além de destruir a rampa (literalmente, a cada ollie era um pé que entrava na madeira), o raparigo ainda conseguiu machucar o joelho numa de suas investidas. Não houveram grandes manobras, mas com certeza essa foi uma das mais engraçadas e épicas sessões da história (do OneDv, é claro). Enquanto um garotinho de 10 anos de idade destroçava a pobre geladeira, a sessão rolava e a cerveja ia molhando as palavras. Ao fim, todos resolveram entrar no clima do pivete e destruíram as rampas! Inclusive presenciamos uma cena muito impagável: Ao final da destruição, surge a gloriosíssima figura do skate nacional Rogerio Troy e profere, do fundo de toda sua sabedoria e experiência, a seguinte frase: “Porra, os caras não sabem dar Ollie, ai o que acontece…”, pobre Troy, perdeu uma sessão mágica e anárquica, da qual ele não fez falta nenhuma.

Acid Drop
Ollie to Fakie

Enfim, ao fim da sessão que durou cerca de 40 minutos (pois é..), já tínhamos registrado tudo que queríamos e não tardou para que deixássemos o recinto, já abarrotado de pessoas sedentas por uma muvuca, sob o pretexto de estarem lá em prol da arte. Leo saiu ferido e cada um de nós seguiu seu caminho para mais um fim de noite.