Criatividade, ideias boas y otras cositas más

Meu primeiro post no Medium. Pretendo usar a ferramenta apenas para exercitar minha escrita, e olha que já foi difícil escrever esse primeiro parágrafo, hehe.

Para aprendermos sobre criatividade, a primeira coisa que precisamos saber é o seu significado:

Processo mental de geração de novas ideias por indivíduos ou grupos.

Digo isso porque automaticamente quando falamos de criatividade pensamos em grandes inventores como Santos Dumont, Henry Ford e um dos mais recentes, Steve Jobs, mas não sabemos nada sobre os autores de invenções subestimadas como escada, tesoura, parafuso, etc. E com isso temos os mitos da criatividade:

  • Pra ser criativo é necessário ser louco, rebelde, gênio, artista…
  • As pessoas nascem criativas, ou não.
  • A criatividade não pode ser aprendida.

Pessoas criativas têm boas ideias. Mas antes, vamos compreender o que é uma ideia boa:

Aquela que foi executada.

E uma ideia ruim:

Aquela que não foi executada.

Sim. É isso! E para executarmos uma ideia, precisamos de alguns ingredientes como: motivação, habilidades criativas e expertise. Motivação não está em primeiro lugar por acaso, ela é fundamental para você concretizar sua ideia, ela é a divisão entre uma ideia boa (executada) e uma que “vai para a gaveta”.

Uma das barreiras na motivação é o medo de se libertar, somos super sinceros com nossas ideias com pensamentos do tipo “Ela não é tão boa”, “Alguém já teve” e “Ela não vai dar certo”. Por isso, é importante sabermos que: A primeira solução é (quase) sempre a pior. Vou te dar um exemplo básico disso que é escutar uma música de seu artista favorito com o passar do tempo:

  • Anos 50: Vinil (LP);
  • Anos 70: Fita cassete;
  • Anos 90: CD;
  • Anos 2000: MP3 player;
  • E atualmente, serviços de streaming como Spotify, Deezer, etc.

Depois da motivação chega a hora de colocar a ideia em prática, e aqui quero dar um exemplo do Cidade Reclama, um projeto feito em 2012 usando a minha expertise de Desenvolvedor Web. Esse projeto fez com que eu crescesse muito na área profissional e também na pessoal.

A ideia do projeto era um portal em que qualquer cidadão pudesse apontar algum problema urbano de sua cidade, como buracos, iluminação pública precária, entulho, etc, algo bem similar ao que acontece hoje no Colab.re, porém sem o mesmo suporte de órgãos públicos.

A motivação desse projeto nessa época foi a corrupção e abandono que Campinas/SP vivia (e ainda vive), junto com um desejo de fazer algo experimental na agência web em que trabalhava. Com isso, suporte da equipe e mais um programador (grande Rodolfo Pereira) o projeto tomou forma.

A repercussão foi excelente, com aparições nos jornais da cidade, prêmios como Peixe Grande (nos quesitos Interatividade e Tecnologia) e Aprendiz Comgás. Mas sem dúvidas o mais gratificante para mim foi a oportunidade de falar sobre o projeto na Conferência Web da W3C:

Conclusão

Não desista de sua ideia. Todos nascem com habilidade criativa, a diferença é que nem todos estão dispostos ou até mesmo sabem como desenvolvê-la. Espero que de alguma forma esse post tenha te ajudado nesse sentido.

Segue alguns links que vão te ajudar ainda mais nesse processo:

Ah, quando ficar rico com sua ideia, me pague um snickers 😁