Resenha de SETE MINUTOS DEPOIS DA MEIA-NOITE

Eu amo receber indicações de filmes, quando recebo já arrumo tempo pra ver o filme de cara. Quando escolho o filme a dedo eu enrolo um pouco pra assisti-lo. Foi o que aconteceu com esse filme, e olha, que arrependimento de não ter visto antes.

O filme conta a história de Connor, um menino de 13 anos de idade com vários problemas. Tem um pai ausente, uma mãe com câncer terminal, uma avó que é uma megera e além de tudo e maltratado pelos colegas na escola.

Toda noite, exatamente à meia-noite e sete, Connor tem o mesmo pesadelo, entretanto desde o começo do filme, ele começa a receber a presença de uma árvore em forma humana contanto histórias trágicas em troca de uma história verdadeira de Connor. De cara o menino se recusa, porém a árvore força a ouvir as os contos trágicos deixando o garoto bem confuso.

A cada história da árvore, somos imergidos num mundo de fantasia, com pinturas em aquarela e que todas elas a árvore/monstro tem alguma atuação. Ao longo do filme podemos ver que essas histórias de fantasias que são contadas tem ligação com a vida real de Connor.

O filme se desenvolve muito bem, todas as cenas são importantes e a árvore/monstro ( interpretado por Liam Neeson ) ficou tão perfeito nas cenas que nem parece que é 3D podrera.

Pra quem assistiu O labirinto do Fauno e Ponte Para Terabitia (e gostou) esse filme é uma ótima pedida.

Ah, não que seja uma regra, mas recomendo ver o filme sozinho pq além de chorar muito, o filme passa uma puta reflexão.

O filme está disponível na Netflix.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.