Quando eu olho de igual pra igual, branco age com hostilidade.

Dos privilégios: planejar a revolução comendo do bom e do melhor. Não vou mentir até pq não escondo de ninguém, eu como bem, não é do bom e do melhor, mas não passo fome. O que muita gente não sabe é que também já tive muitos finais de mês (e não só finais) sem ter o que comer (privilégio: família). Me incomoda branquim que planeja a revolução dialogando apenas com a playboyzada “revolucionária” de sempre, ou quando dialoga age como se tivesse fazendo caridade (caridade quem tá recebendo é vc). Me incomoda branquim que acha que você não tá trabalhando pq vc não procurou emprego o suficiente. Me incomoda branquim que faz terapia, massagem, viaja com frequência e no fim do dia cobra de vc mais “gratidão”. Resumindo: me incomoda branquim que não se toca, não percebe que pra pele branca sempre tem uma porta aberta, sempre tem uma chance, quando que pra pele negra sempre tem a dúvida, a desconfiança, a subjugação. Me incomoda também os branquim que já estão fartos de ler esse tipo de desabafo (como se já entendessem tudo sobre). Me incomoda os branquim que me acham bonito, pq no fundo esse é o máximo de humanidade que eles enxergam. Me incomoda tbm os branquim que se sentem incomodados com a minha presença — mais ainda os branquim que quando vê q eu não sou um zé mané que eles vão pisar como fazem com todo mundo que não é eles, começam a agir com hostilidade. Quando eu olho de igual pra igual, branco age com hostilidade.