Sobre um verão longo

Jonatan Rezende
Oct 29, 2016 · 4 min read

Com vários pores de sol laranja.

Essa é uma rara vez em que eu abro o editor de textos e não faço a minima ideia do que escrever. Depois de um longo ensaio mental eu volto a escrever sobre alguém que não seja eu. E acredite, é bizarro, ainda mais quando se trata de resumir a pessoa mais maravilhosa com quem eu esbarrei na selva de pedra.

Perdido em um monte de cabelos, matérias jornalisticas e risadas que eu não esperava dar. Estava na sua cama, do seu lado. Não havíamos nos tocado, mas eu sentia como se estivesse fazendo o melhor sexo da minha vida. Me abrindo inteiramente pra um desconhecido, num papo bêbado e sem nexo de sexta feira. O que parecia ser somente um simples encontro pra uma foda rápida, se tornou o meu melhor momento desde que comecei a vida nova. Menino perdido na cidade grande, lembra? Talvez por causa de uma pessoa esse menino não esteja mais tão perdido assim.

Começando pelo momento em que eu comecei a entender o que você era e o que eu estava sentindo. Não vou mentir, demoraram alguns meses e compromissos desmarcados pra poder chamar a relação que nós tínhamos de alguma coisa, então acabei chamando somente de “isso”. Não que me incomodasse colocar algum nome de peso no possível romance , mas é que com você sempre foi tão fácil tão sem cobrança, eu meio que deixei tudo levar e encontrar um lugar. E realmente isso aconteceu.

Um dia eu acordei com um aperto danado, uma coisa diferente que ao mesmo tempo era tão familiar que me deixava assustado. Em algum canto da minha mente esse ser que te olha apaixonadamente começava a dar os seus primeiros gritos, começava a traçar os planos para tomar o controle sobre meu corpo e agir como o eu que esteve adormecido pelo passado duro.

Talvez eu esteja apaixonado

Acho que somente apaixonado ainda é pegar leve comparando com as borboletas que me sobem a garganta e se amontoam umas nas outras tentando sair. Talvez eu esteja tendo um devaneio eterno com esse cara que parece ter saído do fundo da minha imaginação, armado com todos os meus segredos, todas as minhas mentiras. Pronto pra por tudo abaixo e me desarmar somente com um sorriso. Preparado da cabeça aos pés pra mergulhar nos cantos mais escuros da minha alma, cantos que nem eu mesmo ouso a procurar.

É quase como descobrir de novo a forma de estar com alguém, um alguém real, sólido. Não um personagem montado. A leveza de todas as coisas ainda me assusta, o fato de me trancar com você durante quarenta e oito horas e ainda assim sentir a sua falta. Te olhar quando ninguém vê, tirar algumas fotos suas e depois rir da sua surpresa quando percebe que apesar de ser seu namorado eu ainda sou seu admirador secreto.

Em meio a todos os meu devaneios

Grande parte de mim grita com certeza pra que eu me entregue sem imposições feitas por mim mesmo. Sem mascaras ou sem receio de te mostrar meus lados ocultos, sem pudor, sem vergonha, sem medo. Embora eu ache de verdade que sempre vou estar desconcertado toda vez que minha pele tocar na sua ou que eu sempre vou ter que pensar duas vezes antes de soar bobo perto de você.

Eu poderia ficar escrevendo sobre você durante horas, na verdade, eu escrevo sobre você durante horas a um certo tempo. E ainda assim, sempre haverão coisas que merecerão serem escritas.

Talvez eu passe alguns dias da minha vida ensaiando esses textos, talvez amanhã eu corra pro seu bairro e aperte o interfone da sua casa, enquanto eu pulo sobre meu all star surrado, esperando você aparecer da janela e jogar a chave pra mim (você nunca acerta). Talvez eu apenas olhe pra você te deixando desconcertado simplesmente porque eu não consigo parar desde o dia em que eu descobri que era possivel gostar de alguém de novo. Talvez eu estrague alguns dias pelo meu temperamento, talvez eu não me separe de você mais ou talvez eu só coloque a minha cabeça no seu ombro e feche meus olhos esperando a hora em que você me pergunta “O que você esta pensando?”

Talvez eu só fique com você. Sem pensar demais, ensaiar demais ou me incomodar demais. Talvez, eu esteja somente me segurando pra não correr agora mesmo e me afundar no teu mundo sem previsão pra te deixar ir embora, sem aviso prévio chutar a sua sanidade pra longe, segurar sua mão e te convidar pra ser louco comigo.

Jonatan Rezende

Written by

Talvez eu fale sobre musica, talvez eu fale sobre cinema. Talvez eu misture tudo e fale sobre literatura também.