Estou fazendo o meu TCC e amando

Sim. Isto realmente está acontecendo!

Tudo começou em 2009, quando debutei no curso jornalismo e tinha apenas 17 anos. Sem saber o que escolher, tomei a decisão que mais me parecia interessante na época — mais por gostar de ouvir rádio sobre notícias do Grêmio do que por realmente querer trabalhar com aquilo. Aos poucos, fui percebendo que não tinha condições de terminar. E o pior? Se eu fosse terminar, teria de fazer um TCC.

Eu era despreparado, assustado e não fazia ideia do que eu buscava para a minha vida naquela época. E falo “época”, porque parece décadas desde que vivi tudo aquilo, afinal, smartphones não eram tão populares como hoje.

Aí eu descobri o mundo da fotografia e percebi que poderia me matricular para fazer uma GRADUAÇÃO nisso. O tempo passou como uma folha ao vento e, aqui estou, concluindo o último período de dois anos e meio de atividades acadêmicas.

Passei anos ouvindo o quão terrível era escrever um TCC e como isso destruía o ser humano. Concordo que, para alguns cursos, realmente deve ser muito pior, já que são textos imensos cheios de coisas técnicas e impossíveis de decifrar, mas também não posso tirar a importância do meu trabalho de conclusão.

Quando descobri o tema que queria explorar no meu texto + projeto fotográfico finais, os níveis de empolgação aumentaram, porque eu queria ler sobre aquilo e queria saber muito mais do que eu sabia. Eu estava sedento por ver aquilo finalizado.

Comecei as orientações com um professor que ficou fascinado pela minha ideia e quis participar dessa empreitada. Ele não teria tempo para auxiliar estudantes neste semestre, graças ao seu Doutorado, mas mesmo assim decidiu me ajudar, o que fico ainda mais grato. Agora não é só a minha vontade de fazer algo incrível; também quero fazer o tempo do professor valer à pena.

Todos os dias em que leio livros sobre assuntos diversos em relação ao meu tema, fico mais e mais saltitante. Não é um sofrimento ler teorias do Roland Barthes, nem uma tristeza ter de abrir artigos científicos sobre a influência da percepção desde que nascemos. É tudo muito bom!

Embora eu entenda que os caminhos sejam difíceis e que algumas coisas vão ser mais complicadas daqui para frente, não vejo isso como motivo para me desanimar. Eu realmente quero tornar essa experiência positiva para mim e não como algo que vou pensar ‘finalmente entreguei, posso ir pra casa?’.

Então, sim, estou fazendo o TCC e amando.

Curtiu? Dê um coraçãozinho aí. E me siga:

www.facebook.com/jonathanholdorf

www.livro.jonathanholdorf.com.br

www.jonathanholdorf.com.br

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.