Interior urbano

Nossa cidade se tornou muito pequena
um labirinto de espelhos,
onde o monstro preso ali sou eu,
se não é do seu rosto que eu fujo
é do meu

Eu viro meu rosto pra fingir não te ver,
eu dobro toda esquina com medo de te encontrar,
teu rosto não é um, mas muitos por aí,
preciso fugir de você, me atirarei ao mar

Tem tanto pra se preocupar, e tão pouco para se fazer,
não sei sou eu, mas acho que a cidade ta me deixando louco,
me olho no espelho
meu deus, eu tô dormindo pouco.