Sobre “roteirar” a vida

Sabe aquele encontro que estava te deixando com borboletas no estômago? Aquele mesmo, que você pensou e repensou na sua cabeça, inúmeras vezes. Onde ir, como ir, onde comer, o que falar, como falar, quais perguntas seriam boas, quais seriam ruins, como evitar maus momentos, onde sentar para conversar, qual piada teria mais graça. Você pensou em tudo.

Chega a hora. O nervosismo vem na flor da pele. “É só mais um encontro”, mas você fica nervoso com qualquer encontro, por menor que ele seja. Um imprevisto, dois, três, vários. Muitos. “Essa pessoa deve estar me odiando” é exatamente o que você pensa quando vê que nada do que você planejou está acontecendo. Tantos erros aconteceram, que nem adianta mais tentar colocar tudo de volta em como estava no seu script.

Você desiste. Os encontros, todos eles, nunca seguiram o seu roteiro. Talvez nem mesmo sigam o roteiro que a outra pessoa fez. Talvez todos que passaram por você naquele encontro também estivessem com a vida fora do papel que eles tentaram dar para ela. Mas você nem pensa nisso. Luzes no palco, o foco está em ti. Você foi bem nos outros encontros em que a vida rasgou toda a história que você criou. É isso que você realmente é e nunca deixou de ser, um artista de improviso. Apesar de tão metódico e detalhista, a atuação é impecável em situações inusitadas.

Tudo vai bem, ótimo, maravilhoso. O dia até começou ruim, mas agora valeu o esforço. Pisa em casa. Corre para falar com os amigos. Joga com eles. Joga um tanto quanto mal. Você está desligado, remoendo só uma coisa de tudo que aconteceu no dia. Não que você não se lembre de tudo, mas é só uma coisa que te incomoda a ponto de te deixar acordado até mais tarde.

E você entende.

A vida é tão independente quanto você. Veja bem, se ela seguisse só o seu roteiro, todas as outras pessoas, do mundo inteiro, seriam personagens para os quais você criou um história. E você não consegue cuidar de bilhões de pessoas.

A vida não tem uma forma definida. É um substantivo feminino, imaterial. Está em você, está em tudo que te cerca. Pode ocorrer em vários estilos. E ela se molda de acordo com tudo o que acontece. Não de acordo com você.

Aqui não tem essa de personagem principal. Já notou que algumas vezes a vida até segue aquela história que você escreveu? Muito raramente, por mais improvável que isso pareça, você até consegue adivinhar as falas das pessoas. É assim com todos. É, isso mesmo, todo mundo reclama, reclamou ou vai reclamar que algo não saiu como o planejado.

É que não tem como sempre sair como o planejado. Algumas fugas que a vida dá do roteiro levam a situações piores que outras. Mas é isso, ninguém tem a vida do jeitinho que quer. Nem a pessoa rica, nem a pessoa gentil, nem a bonita. Todos são como você, ao menos nessa questão.

É uma coisa que eu me disse já faz muito tempo: um dia você vai notar que perdeu as rédeas da vida. Vai se desesperar por causa disso. E aí vai notar que, na verdade, você nunca viu as rédeas da vida. E será invadido por uma sensação incrivelmente verdadeira de calmaria.

Relaxa. Pense bem. Eu sei como é passar por todo o nervosismo de uma tarde fora do roteiro. Sei até como é um dia em que nada acontece como você queria, nem o menor dos detalhes. Continue em frente. Uma hora dá certo.

Pare de roteirar a vida.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.