Carta de uma palavra só

Eu não posso fazer isso.

Não posso desistir de tudo que eu acreditei até agora, pelo mesmo motivo que me fez acreditar. Tudo, desde o começo sempre foi um talvez e não me restava mais nada, além de acreditar na melhor metade que essa palavra pode significar.

Talvez:

Indica possibilidade, mas não certeza (empr. freq. com o verbo no subjuntivo e, raras as vezes, com o verbo no indicativo); acaso, quiçá, porventura. ” “Um dia t. venhamos a saber da verdade”.

O talvez não é certo, mas é possível ser. Permitir que isso seja o motivo de uma frustração, antes mesmo de questionar e experimentar seus dois lados, é como simplesmente abandonar a ideia do que é sensato e lógico, é deixar o medo dominar e nos convencer de que o “não” é iminente, e ainda, esquecer que o sim existe e que é possível.

Concluir algo baseado em frases que possuem “talvez” é completamente irracional. Quando se fala “talvez não dê certo”, automaticamente também se fala “talvez possa dar”, só cabe a você escolher um e acreditar.

Pela primeira vez sinto que escolhi o lado certo de um talvez jogado ao acaso. Entendi que a vida é feita de escolhas que se resumem em adotar um lado e acreditar veemente nele. Entendi que existe a possibilidade de algum dia me arrepender de ter escolhido o talvez errado. Mas como posso concluir que foi uma decisão errada se nem ao menos tentei vivê-la?

Não dá pra saber o que vai acontecer, mas eu sei o que não quero que talvez aconteça, e definitivamente é escolher o “não”. Acabar fingindo que é só mais uma fase e que vai passar, dizer que é o melhor a se fazer e aceitar, desistir de tudo e admitir que pode se machucar pelo fato de não querer se frustrar mais uma vez.

Mas antes de mais nada, peço ainda que não me entenda mal. Talvez não seja amor. Talvez seja algo passageiro, uma curiosidade, uma vontade de sentir em você, tudo o que eu imagino que talvez possa vir a sentir um dia. Eu só quero que talvez seja. E, se o problema não for o talvez, de fato, se for justamente a certeza, me avise. Não posso viver em uma realidade diferente da sua, enquanto almejo ficar do seu lado.

Leve seu tempo, ache seu mundo ou construa ele do zero se for preciso. No fim, talvez eu ainda esteja aqui.

Like what you read? Give João Câmara a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.