Você S/A

Vivemos num estado de expectativa. Tememos o que virá e torcermos para que no futuro seja diferente e melhor. A alma oscila, assim, entre o medo e a esperança. Em resposta a essa gangorra, na sociedade atual observa-se que as pessoas, norteadas por uma filosofia neoliberal que prega o investimento individual como superação das adversidades, estão se tornando empresários de si mesmos.

O neoliberalismo se apodera do nosso medo e constrói uma falsa esperança pautando-a na lógica do Você S/A. Isto é, o pensar e o sentir é norteado por um programa de conduta empresarial, segundo o qual o indivíduo para se desenvolver na vida íntima, no trabalho, nos relacionamentos, tem que investir em si mesmo, constantemente. O indivíduo passou a ser pensado, a ser gerido, passou a pensar em si mesmo, como se fosse uma empresa. A vida é regida pela lógica empresarial, com o objetivo de atingir metas cada vez mais pretensiosas.

Dessa forma, o indivíduo vivi sob o julgo de uma filosofia que prega a busca constante da superação de limites. É uma lógica que tem como ideal a maximização de intensidades. Contudo, esse ininterrupto esforço de investimento não se dá no âmbito mental e espiritual, não se busca crescimento no sentido intelectual, emocional, humano. O indivíduo investe em si mesmo para ser um profissional, aumentar o salário, adquirir bens, alcançar ascensão social. Faz propaganda de si mesmo expondo a estampa da roupa cara, se tornou um outdoor de sua condição financeira na esperança de se tornar sujeito, na esperança de estar acima do medo, na esperança de ser alguém livre. O seu poder aquisitivo, para ele, é a prova cabal de seu sucesso, quanto maior for o seu poder de compra, mais bem sucedido ele se considera, mais livre ele acredita ser.

Por conseguinte, dentro dessa nova configuração social, ele é julgado a partir da sua capacidade de realização de objetivos, principalmente no campo econômico. Como a diversidade e universalidade da vida está muito além dele mesmo, e muitos fatores fogem do seu controle, ele será sempre um indivíduo em crise, porque cria necessidades que nunca serão preenchidas a contento, gerando inúmeras frustrações. Nessa roda-viva que determina o seu estilo de vida um mal-estar o acompanha.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated João Elter Borges Miranda’s story.