Poupar na areia…
Celso Pinto
8021

Caro Celso,

Obrigado por este post muito interessante. No entanto, creio que os valores utilisados para comparar os dois salários mais elevados podem não ser os mais correctos. Por exemplo, o limite superior da classe média que usa corresponde, segundo o gráfico 6 do documento do ISCTE, a alguém que está no percentil 97 de rendimentos em Portugal. Quanto ao salário dos 10% mais ricos parece-me pouco informativo usar a média dos salários dos 10% mais ricos (como também já tinha mencionado sobre o factor de usar a média em vez da mediana de salário). Esse valor é facilmente influenciado por salários extremamente elevados. Julgo que faria mais sentido usar o salário de um trabalhador no percentil 90 ou no percentil 95. Como não conseguir arranjar dados sobre a Suécia relativos ao percentil 95 deixo-lhe aqui a análise dos salários de trabalhadores que auferem mais de 90% dos restantes trabalhadores, em Portugal e na Suécia.

Segundo os dados do ISCTE um português no percentil 90 recebe 1874 euros por mês e paga 35.25% de impostos. Um trabalhador sueco no mesmo percentil recebe 48.866 SEK e paga algures entre 28% e 34% dependendo do município em que vive.

O trabalhador português continua a pagar mais! Mas a diferença não é tão drástica.

Infelizmente, não consegui encontrar dados sobre os salários dos 1% mais ricos e julgo que aí é que se paga mais imposto na Suécia uma vez que o limite máximo na Suécia chega quase aos 60% de imposto.

A minha conclusão é que quem recebe o salário minímo e quem tem milhões acaba por pagar menos em Portugal. Tudo o que está pelo meio sofre mais com as taxas…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.