A Literatura ainda me mata.

(Num consultório)

- Eu acho que perdi o meu talento. Eu tento escrever, mas nada sai. Quando sai, ninguém lê. E o pior de tudo, eu não consigo nem mais gostar das coisas que eu escrevo! Será que as pessoas se esqueceram de mim? João Medeiros! O mais novo poeta! O Cara que chegou para revolucionar a literatura! O maior escritor que nunca existiu!

- Certo… Para começo de conversa, você nunca escreveu uma linha sequer. É tudo fruto da sua imaginação. Você está com 30 anos, nunca publicou nada, ninguém nunca leu nada seu — nem você — lembre-se disso!

- Espera aí… Como assim? E os meus fãs? Meus prêmios? Nada disso foi real?

- Não. Nadinha. Tudo parte da sua neurose.

- Como é que eu pude suportar esse tempo todo sem escrever?

- Você não suportou. Aos 22 anos você tentou se jogar pela janela. Seus pais internaram você aqui.

- E onde é esse “aqui”?

- Centro de Reabilitação para Pseudo Escritores.

- Eu vou sair daqui algum dia?

- Não. Você se tornou um perigo para a sociedade.

- Entendi…

(No dia seguinte)

- Eu acho que perdi o meu talento. Eu tento escrever, mas nada sai. Quando sai, ninguém lê. E o pior de tudo, eu não consigo nem mais gostar das coisas que eu escrevo! Será que as pessoas se esqueceram de mim? João Medeiros…

(No dia seguinte)

- Eu acho que perdi o meu talento…

(No dia seguinte)

- Eu acho que…

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Glog’s story.