Eu também vou reclamar

Desde a minha adolescência sempre fui um fã fervoroso de Raul Seixas, suas músicas e principalmente suas letras, às quais sempre dediquei tempo para decifrá-las. Essa admiração surgiu ao começar a perceber que as músicas continham versos de uma inteligência poética que deixava outros jovens igualmente impressionados

Porém, esporadicamente ao escutar novamente algumas dessas letras famosas acabava percebendo que ele dizia literalmente aquilo que ele queria dizer, como em “Ouro de Tolo” e até mesmo “Medo da Chuva”, composta por Paulo Coelho, a qual ele já confessou ter tido a ideia de compor essa música quando voltara para casa sem guarda-chuva e observava o mundo ao seu redor.

Após anos de busca ainda me faltava entender pelo menos dois versos de uma das músicas mais famosas e sobre a qual se criam inúmeras interpretações: “Eu também vou reclamar”, lançada em 1976 no disco “Há dez mil anos atrás”. Essa música, dizem, constrói uma intertextualidade com Belchior que se lamentava em “Apenas um Latino Americano” e “A Palo Seco” (Raul também resolveu dar a sua “queixadinha”), pretensiosamente para vender discos. A música também deixa muito claro a mensagem para o chato Silvio Brito que grita nos ouvidos “pare o mundo que eu quero descer”. Fala sobre censura, sobre o mundo, o cotidiano, sua própria vida para dizer que “sendo nuvem passageira, não me leva nem a beira, disso tudo que eu quero chegar”

Objetivamente podemos até afirmar que ele comete um erro de português ao empregar o pronome em:

“E a empregada
Me bate à porta
Me explicando
Que tá toda torta
E já que não sabe
O que vai dá prá mim comer”

Mas ainda não tinha encontrado a resposta para esses versos, que quem nunca prestou muita atenção ou procurou num site de letras de músicas não deve nem ter entendido. Se entendeu, deve ter ficado como eu, imaginando a que parte da filosofia ocultista de Alester Crowley ele fazia referencia:

Um piloto rouba um “mig”
Gelo em Marte, diz a Viking

Até que finalmente resolvi esse mistério, graças a um boa pesquisa no oráculo universal chamado Google. Dois acontecimentos que se passaram no mesmo ano em que a música foi lançada, 1976.

MiG 25 é o nome de um dos mais famosos e eficientes aviões-caça do século XX, fabricado pela União Soviética, que nesse quesito ultrapassava a tecnologia norte-americana em muito, até que o piloto soviético Viktor Ivanovich Belenko decidiu desertar e desviou seu novíssimo MiG para pousar no Japão, que posteriormente convidou engenheiros dos EUA para desvendar as inovações do moderno avião.

Gelo em Marte também não é novidade da semana passada, quando novas sondas descobriram vestígios de água e conclusivamente a possibilidade de se ter vida fora da terra (aliás, por que não procuram vida nos outros planetas?). Viking I e II foram duas das primeiras sondas enviadas pela NASA ao planeta vermelho.

Sim, isso quer dizer exatamente o que isso quer dizer.