Existo.

Mesmo sem intenção
Um ponto oblíquo nesse eterno vão
As migalhas que ficaram no chão
Dividido entre tempo e razão.
Busco no espaço
Algo que evidencie o compasso
Que faça esquecer o cansaço.
Pois essa passagem é única
Oportunidade de crescer
De buscar no universo a mais bela música.
Algo que toque o coração
Que leve a maldade embora
Pois nessa canção
Eu posso sentir o aqui e agora.
Não espere o mundo
Inicie a mudança
Pois a transformação vem de dentro pra fora.

O que queres dessa vida irmão?
Conta com a sorte
Sem saber pra onde é o norte
Mas só se pensa quando está à beira da morte.
Eu desejo toda a paz para você
Mas saia da caverna
Vamos fazer acontecer.
A porta está aberta
E você continua atrás das grades
A ilusão é a prisão
E sua cela, a vaidade.

A existência é memória afetiva
Infância, descobrir o mundo
A essência que nos dá a vida.
Da criação veio a semente
Semeia a vida na terra desse espírito presente.
E o berço que é eterno
Guarda em si o amor materno
Acalanto que acalma o pranto.
Busco a perfeita comunhão
Que faça viver o encontro e o encanto
Que estenda sua mão.
Mas imperfeito ainda sou
Tão pequeno perante a grandeza do senhor
Que fez a matéria, a grandeza da obra de amor.
Energia divina, o poder da criação
Floresce em cada canto a semente
Faz brotar a vida do chão.

Espero que ao final do dia
O vento me traga paz
E que amanheça de sereno
Acalmando os anseios que o tempo traz.

Like what you read? Give Jorge G.G. Milek a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.