…E sangra o mundo

E sangra o mundo
 Este vil buraco sem fundo
 Esta alma que implora piedade
 Afogada em goles de vaidade

O mundo, em face da vida
 É mais uma amarga bebida
 Da falta de compreensão
 Onde se instaura a opressão

Chamem-me louco 
 Rosnem-me um pouco
 Apedrejem com a hipocrisia
 Mas encarem a verdade vazia

De que o mundo pouco importa
 E que a empatia está morta
 Porque calafrios só vão sumir
 Quando toda ignorância partir.

Like what you read? Give Jorge Marins a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.