Empresa de Eduardo Botelho é acusada pelo MPE por superlotação e sucateamento de ônibus

Botelho assumiu recentemente o cargo de presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso

O deputado Eduardo Botelho (PSB), dono da empresa Integração Transportes, é acusado pelo Ministério Público Estadual (MPE) de não cumprir com o contrato de concessão assinado com a Prefeitura de Cuiabá, em 2002.

O MPE acusa a empresa do novo presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) de permitir a superlotação nos veículos e de não renovar a frota dos ônibus.

Dados compartilhados pela Agência Reguladora do Município (Arsec) mostra que 86% dos ônibus da Integração Transportes está acima da média de idade. Além disso, a empresa foi a que menos adquiriu novos veículos, já que apenas 13% da frota foi renovada em 2016.

Mais da metade dos ônibus da Integração Transportes estão acima da idade média

Além da empresa de Botelho, às demais concessionárias do transporte público de Cuiabá também figuram como rés no processo. Além da superlotação e do sucateamento, o MPE afirma que as empresas não oferecem equipamentos para garantir acessibilidade aos passageiros. A Integração é que possui a menor frota em Cuiabá. A Pantanal Transportes (208) e a Expresso Norte Sul (110) são as empresas com o maior número de veículos.

Perícia

Para comprovar as ilegalidades, o serviço prestado deverá passar por uma perícia, conforme determinação judicial.

O responsável pela avaliação será o engenheiro de transportes Sérgio Luiz Moraes Magalhães que pertence ao Núcleo de Estudos e Logística da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Se o engenheiro demonstrar as falhas, as empresas terão de se adequar ou pagarão multa de R$ 1 mil para cada reclamação registrada pelos usuários.