MUNDO: Nova eleição no Reino Unido pode cancelar o Brexit

Especialista fala sobre as possíveis mudanças caso o cancelamento realmente aconteça

Policiais britânicos observam ruas londrinas na frente do Parlamento (Foto: Daniel Leal)

Teve início nesta segunda-feira (19) as conversas formais entre o Reino Unido e a União Europeia sobre a saída da região do grupo europeu. Porém, para o economista José Corrêa Silveira, a depender do que ocorrer daqui para frente é possível que ocorra o cancelamento do Brexit antes do término das conversas. “O fato é que a Brexit é uma proposta de perda, prejudicial tanto para a Grã-Bretanha como para a União Europeia. Não pode ser desfeito, mas as pessoas podem mudar de ideia”, ressalta Silveira. “O processo de divórcio levaria pelo menos cinco anos, e durante esse tempo novas eleições poderiam acontecer. Se tudo correr bem, as duas partes podem querer se casar novamente antes mesmo de se divorciarem”, acrescenta.

O ministro britânico do Brexit, David Davir, falou diretamente de Bruxelas nesta semana. Ele afirma esperar que o Reino Unido e a Europa possam formar uma nova parceria como resultado das negociações formais. Davis acrescentou que Londres procurou encontrar um tom positivo e construtivo nas discussões em andamento.

Sobre a situação da primeira-ministra Theresa May, o economista fala que para ela continuar no poder será preciso mudar sua abordagem política. Silveira sugere que May deve priorizar o status de mercado único do Reino Unido pelo tempo que for necessário até as discussões legais sobre deixar o bloco serem resolvidas. “Somente ao seguir este caminho, ela pode persuadir o Parlamento e aprovar as leis que precisam ser promulgadas”, concluiu.

Uma nova unidade política em tempos de brexit

Originalmente, o próximo pleito no Reino Unido só aconteceria em 2020. Segundo a conservadora Theresa May, a medida de adiantamento é necessária para garantir a unidade política durante as negociações do Brexit, mas muitos veem como uma forma de reforçar seu mandato e aumentar a bancada conservadora no Parlamento. O processo de saída do Reino Unido da União Europeia foi iniciado após o acionamento do artigo 50 do Tratado de Lisboa, em março deste ano, e deve durar pelo menos dois anos.

Primeira-ministra britânica Theresa May anunciando proposta de novas eleições —(Foto: Stefan Wermuth)

Texto: Nathalia Pase Baratto

Edição: Sofia Schuck, Eduarda Endler Lopes, Isadora Assis, Michele Nascimento

Diagramação: Vitória Mollerke

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.