Primeira oficina de formação livre

Jornalistas Livres
May 5, 2015 · 7 min read

Por Maria Carolina Trevisan para Jornalistas Livres
Apoio institucional: ANDI — Comunicação e Direitos

Jornalismo x Entretenimento

Programa Luciana Gimenez
http://www.redetv.uol.com.br/videos/superpop/superpop-debate-sobre-reducao-da-maioridade-penal

Pressupostos

A imprensa tem a capacidade de moldar o debate dos temas da agenda social, afetando, com base no enquadramento da notícia, tanto o “sobre o que” o público pensa quanto o “como” se posiciona acerca de tais assuntos. (Síntese da Teoria Agenda-Setting)

Embora as notícias sejam uma espécie de índice do ‘real’, dão vida ao acontecimento, e desse modo, constroem o acontecimento — ou o ‘real’. (Síntese da Teoria Construcionista)

#JornalistasLivres não observamos os fatos como se estivéssemos deles distantes e alienad@s. Sabemos que a mídia, o jornalismo e @s jornalistas interferem diretamente naquilo que documentamos, reportamos e interpretamos.

Os valores que nos unem são o amor apaixonado pela democracia e a defesa radical dos direitos humanos.

Quem são?

São considerados adolescentes em conflito com a lei pessoas na faixa etária de 12 a 17 anos de idade que cometeram atos infracionais — de pequenos furtos a delitos graves, como homicídios. Totalizam 58.764 indivíduos, número correspondente aos adolescentes que cumprem medidas socioeducativas no Brasil, segundo levantamento da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República

É um segmento frequentemente associado à prática de crimes hediondos, mas as estatísticas contrariam o senso comum:

• Prevalência de ações contra o patrimônio (62,8%); roubo (34,7%) e furto (22%);
• Os crimes contra a pessoa e os costumes representam 13,6%
• Homicídios respondem por 4,1%
• A média mundial de participação de jovens na criminalidade é de 11,6%

Causas

É impróprio estabelecer uma relação direta entre pobreza e criminalidades. Mas as estatísticas apontam para o fato de que esta condição leva a outras vulnerabilidades, que incluem a ultrapassagem da linha que leva à inserção de garotos e garotas no Sistema de Justiça Juvenil.

• Baixos índices de desenvolvimento humano, o que aponta para uma sucessão de falhas institucionais que os expõem a violências e criminalidades — seja como vítimas, seja como autores;
• Baixa escolaridade e trabalho infantil;
• Privação da convivência familiar e comunitária;
• Homicídios, exploração e abuso sexual.

A sistemática violação dos seus direitos demonstra que a prioridade absoluta com que família, poderes públicos e sociedade deveriam agir para garanti-los, por imposição da Constituição Federal e do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), ainda é um ideal a ser alcançado.

Principais indicadores do Sistema Socioeducativo brasileiro

• A maioria dos adolescentes cumprindo medidas de privação de liberdade, em números absolutos está no Sudeste (11.548). É mais que o dobro do Nordeste, segundo colocado.

• Em comparação à população total de adolescentes por estado, São Paulo é o que tem a maior taxa de internação, com 37,2 a cada 10 mil adolescentes.

• Entre os adolescentes cumprindo medidas socioeducativas, a maioria abandonou os estudos com 14 anos, entre a 5a e a 6a série; 89% não concluíram a formação básica até a 8a série. (#maisescolamenoscadeia)

Reincidência no Sistema Carcerário Adulto: 60%
Reincidência na Fundação Casa: 13%

Perfil dos atos infracionais cometidos por adolescentes inseridos no Sistema de Atendimento Socioeducativo

Roubo -> 39%
Tráfico -> 27%
Atos infracionais que atentam contra a vida (homicídio, latrocínio, estupro, lesão corporal) -> 13,3%

Fonte: Levantamento Anual dos/as Adolescentes em Cumprimento de Medida Socioeducativa/Dados de 2012

Perfil das unidades de internação

Capacidade e ocupação total nas unidades de internação

  • As instituições de 16 estados brasileiros estão atuando com superlotação.
  • A taxa média de ocupação é de 119,2%.
  • Centro-Oeste: 167,3%
    Nordeste: 186,3%
    Norte: 97,4%
    Sudeste: 104,4%
    Sul: 93%
    O pior estado é o Maranhão, com taxa de ocupação 458,9%; em seguida está o Mato Grosso do Sul, com taxa de 354,1%.

Constituição Federal

• O direito à prioridade absoluta (art. 227, caput);
• O direito à proteção especial, que compreende o direito ao devido processo legal, se acusado de prática infracional (art. 227, §3 º, IV);
• O direito de ter respeitada a sua condição peculiar de pessoa em desenvolvimento e de que as medidas pri- 6 ONU, 1990. 7 BRASIL, 1988. vativas de liberdade sejam breves e excepcionais (art. 227, § 3 º, V);
• O direito de ser tratado por legislação especial se cometer uma infração com menos de 18 anos (art. 228).
Inimputabilidade penal de crianças e adolescentes. De acordo com a lei máxima do País, não podem ser submetidos ao sistema de justiça comum, cabendo à legislação especial (o ECA) a tarefa de definir os critérios de imputabilidade e ordenar o processo de responsabilização pelos delitos cometidos.

ECA

Estatuto da Criança e do Adolescente

• No Brasil, os adolescentes são inimputáveis no contexto do sistema de justiça comum, mas são imputáveis no âmbito de uma legislação e sistema de justiça especializados, previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente.

• No artigo 106, o ECA determina que “nenhum adolescente será privado de sua liberdade senão em flagrante de ato infracional ou por ordem escrita e fundamentada da autoridade judiciária competente.”

“O direito à informação não é apenas fundamental para uma sociedade aberta e democrática, mas é uma arma central para a luta contra a pobreza e para a aceleração do desenvolvimento humano”. Pnud

A cobertura

Pesquisa da ANDI aponta para “uma prática editorial que não condiz com um dos papeis centrais do jornalismo — o de oferecer informação qualificada à sociedade, com pluralidade de pontos de vista e contextualização de fatos". A cobertura tem caráter nitidamente ideológico, construído sobre uma tese, exposta de modo gráfico e baseada em mitos descolados dos dados da realidade.

A cobertura negligencia o debate sobre o sistema socioeducativo (seus desafios e potencialidades), e catalisa o medo coletivo, empurrando a população para a redução da maioridade penal como forma de resolver o problema.

Veículos analisados

O que não fazer

As narrativas dos meios de comunicação de massa atuam de forma decisiva na construção de valores e comportamentos sociais. Nesse contexto, o emprego de palavras inadequadas pode reforçar preconceitos ou estereótipos. No caso dos adolescentes em conflito com a lei, em que os direitos conquistados estão permanentemente ameaçados por uma cultura de criminalização, editores e repórteres precisam estar atentos ao emprego de termos que contenham juízos de valor. Veja alguns equívocos comuns:

As 7 tendências capitais do noticiário

  1. Centrado em crimes graves contra a pessoa envolvendo adolescentes.
    2. Restrito à legislação que regula as regras de responsabilização desse grupamento e não no abandono de direitos dos jovens.
    3. Focado na (pretensa) impunidade que seria garantida pelo ECA.
    4. Reduz a problemática à ação do sujeito, ignorando o contexto de produção do fenômeno.
    5. Focado no ato infracional, negligenciando desdobramentos legais.
    6. Limitado à defesa de mudanças na legislação que regula as regras de responsabilização.
    7. Defende principalmente a redução da idade penal como solução para o fenômeno.

Negligências da cobertura

• Adolescentes privados de liberdade correspondem à apenas 4% do total de pessoas encarceradas no país. Dado: InfoPen
• A maioria dos casos ocorre em grupo, muitas vezes com adultos, o que pode ser indício de que os adolescentes são usados como “escudos”.
• Falta de contraponto com dados de jovens assassinados no Brasil.

Conclusão: a mídia torna sensacionalista crimes contra a vida ou violentos cometidos por adolescentes desde que sejam praticados contra vitima geralmente branca, geralmente de classe alta.

Dados de violência

Produzida por adolescentes

Quadro que demonstra que a violência creditada aos adolescentes não tem aumentado e que atos infracionais cometidos por eles não são, na grande maioria, atentados contra a vida.

O que a ECA prevê?

Mortes na Fundação Casa

Entre 2007 e 2010, ocorreram 73 homicídios contra internos nas unidades de privação de 11 estados brasileiros

Maioridade

Por que dizer não à redução da maioridade penal?

• É incompatível com a doutrina da proteção integral, presente no ECA, na Constituição e em documentos internacionais;
• É inconciliável com o Sinase, um conjunto de princípios administrativos, políticos e pedagógicos que orienta a aplicação de medidas socioeducativas em meio aberto ou fechado;
• É inconstitucional, pois viola Cláusula Pétrea (imutável) da Carta Magna;
• Afronta compromissos internacionais, que têm peso de normas constitucionais;
• Está na contramão do que discute a comunidade internacional, que tende a diminuir a severidade das respostas penais, a fim de reduzir seus efeitos negativos;
• As propostas de redução da idade penal se sustentam na exceção, pois o percentual de adolescentes autores de crimes de homicídio é minoria entre os adolescentes internados no País;
• Quando aplicado, o ECA apresenta bons resultados;
• A violência está associada a elementos como a desigualdade social, o racismo, a concentração de renda e a insuficiência de políticas sociais. E não se resolve com adoção de leis penais mais severas, exigindo medidas de natureza social que diminuam a vulnerabilidade de adolescentes.

Mitos e verdades

    Jornalistas Livres

    Written by

    Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
    Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
    Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade