Sobrevivendo à Black Friday

Enquanto você lê este artigo, centenas de profissionais, dos mais variados e-commerces estão trabalhando pesado em escalabilidade, configuração de load balancers, realizando stress tests, etc; para manter sua loja online nessa data tão importante, que é o Black Friday.

Justamente por isso, clientes de plataformas no modelo Saas — como Vtex e Oracle Commerce Cloud — costumam relaxar um pouco, achando que todo o trabalho para manter sua loja funcionando nessa data não é da sua conta. Isso não poderia estar mais errado.

O trabalho da plataforma (e dessas centenas de profissionais) é fazer com que a página seja entregue ao usuário. Agora, se o tempo de carregamento é (ou não) o adequado, isso é com o cliente da plataforma. Isso mesmo, você!

Todo ano aprendemos alguma coisa e levamos de aprendizado para o ano seguinte. Acredito que nesse ano, o desafio é que ele pode se estabelecer pra gente (e acredito que pra maioria) como o primeiro Black Friday realmente mobile, mesmo que esse seja um evento que vem criando um ritual — onde clientes se preparam e separam um tempo para isso, geralmente na frente do computador de mesa. A quantidade de acessos mobile vem surpreendendo mês a mês, e por diversas vezes já superou o desktop. E quanto a receita? Ela está logo ali atrás, só esperando para dar o bote e tomar a dianteira.

Não dá mais pra brincar com performance. Mobile está com tudo e tempo de carregamento é fator de rankeamento no Google. A preocupação com otimização precisa ser uma constante, não só para o Black Friday, mas para o ano todo.

Então, o que seu time de UX e front-end pode fazer para melhorar a performance? Ferramentas como o Google Search Console e o Pingdom dão várias sugestões importantes. Vou listar algumas atitudes práticas que tomamos nesse ano, para garantir uma Black Friday livre de quedas.


Otimize suas imagens

Nós trabalhamos nossas páginas de produto de forma similar à indústria, com grande quantidade de imagens e conteúdo. Uma prática, inclusive, tem sido cada vez mais comum entre os varejistas — que vem incorporando todo aquele material de marketing fornecido pelas fabricantes. Em testes internos, já provamos que esse conteúdo extra dá resultado. Porém, ele traz um efeito negativo: Sobrepeso. E em um evento como o Black Friday, com alto volume de acessos, isso fica evidente.

Não inclua o conteúdo do seu fornecedor sem verificar se ele está otimizado. Hoje em dia, profissionais de front-end já contam com processos de compressão automática de imagens (sem perda significante de qualidade) que podem ser incluídas em seus automatizadores de tarefas, como Gulp e Grunt. Ou seja: Não tem desculpa.

Confira algumas dicas, aqui.

Reduza o número de requisições

Enquanto o protocolo HTTP2 não se torna padrão em todas as plataformas, cada browser permite um número máximo de downloads simultâneos por domínio. Em média, 6. Se todos os arquivos estáticos do seu site, como imagens, CSS e JS estiverem no mesmo domínio, o browser irá esperar um terminar pra começar a baixar outro. A sugestão é mover a maior quantidade de arquivos possível para outros domínios. Você pode começar, por exemplo, com os arquivos de interface. Só isso já deve ajudar bastante. Não aceite a desculpa de que sua plataforma não suporta o uso de múltiplos domínios. Para isso temos a Amazon S3. Inclusive, existe uma forma de fornecer todos estes arquivos usando compressão gzip, diminuindo ainda mais o tamanho destes arquivos.

Com isso, sua interface vai carregar e ser cacheada de forma independente do restante do conteúdo, reduzindo o gargalo.

Pause suas tags

Apesar de nunca termos caído durante o Black Friday, no primeiro ano tivemos alguns problemas com scripts de compartilhamento social. De lá pra cá, procuramos desligar a maioria das tags de terceiros que não são absolutamente necessários no dia do Black Friday. Afinal, não temos como garantir que o servidor desses parceiros irá suportar a carga. Infelizmente, ficamos apenas no "confia em mim".

É claro que muitas dessas tags são importantes. O Black Friday é um evento incrível para remarketing. O e-mail de abandono de carrinho geralmente performa muito bem nesse dia — aproveitando que todo e-commerce geralmente extende a data para o final de semana, pegando aquele cliente que ficou na dúvida de gastar (ou não) na sexta-feira. Essa coleta de dados tem que acontecer e é o tipo de tag que não pode ser desligada.

Porém, avalie o que é realmente necessário. Recentemente houveram dois casos de quebra de segurança nestes serviços. Assim como o Black Friday é o momento perfeito para o lojista faturar, também é o momento perfeito para um ataque. Então, seja mais criterioso.

Elimine erros

Esse evento é muito importante para perdermos vendas por erros de programação. O monitoramento de erros não é algo que deve mais estar restrito ao back-end. Ainda mais que hoje em dias temos aplicações completas rodando no cliente e não mais no servidor, as famosas Single Page Applications (SPAs). Sites mobile que desejam entregar uma experiência mobile, por exemplo, tem seguido essa linha.

Hoje nós enviamos cada erro que estaria restrito ao console do cliente para uma ferramenta onde podemos monitorar e atacar as mais importantes. Existem várias opções no mercado, como TrackJS, BugSnag e Sentry.

Além disso, a análise de gravação de navegação de ferramentas como HotJar e Inspectlet ajudam a entender gaps no fluxo de compra. Dá realmente pra se sentir na pele do cliente, entendendo toda a angústia dele quando algo dá errado. São serviços extremamente acessíveis e que trazem um conhecimento incrível.

Seja objetivo

Acho que a analogia com uma loja física cabe bem aqui. Ninguém quer uma multidão parada na porta da sua loja. Você quer que as pessoas entrem e testem seus produtos e comprem. No Black Friday, trabalhamos sempre com a Homepage mais simples do ano. O objetivo é enviar o usuário o mais rápido possível uma categoria. A partir de uma categoria, começamos adquirir inteligência e entender o que esse cliente deseja — enriquecendo nossa base. E de lá, ele tem mais chances de encontrar o produto que deseja e seguir para o checkout. Seja simples na sua comunicação e distribua o tráfego.


Estas são apenas algumas dicas para, não só agilizar o carregamento das suas páginas, como também melhorar a experiência do seu cliente.

Na última semana, participei de um papo com o portal E-commerce Brasil sobre a infraestrutura necessária para suportar o pico de acessos na data. O vídeo abaixo faz parte de uma série focada na Black Friday. Aperta o play!