O virtual é uma mentira, em todos os aspectos!
William Mumu Silva
21

Grande irmão

Concordo contigo! Sua pergunta deve ser tema de inúmeras pesquisas, ensaios, reflexões, teses e deve estar na base das nossas angústias mais potentes e profundas:

“Se, antes de tudo como seres humanos, somos frutos do meio em que convivemos, quando “descolamos do corpo físico” para adentrar o virtual, há alguma possibilidade de haver naturalidade e veracidade em um suposto “ethos virtual”?”

Não duvido que há naturalidade e veracidade. Acho que há, inclusive na maioria das relações, na maioria das pessoas. As pessoas, acredito eu, na maioria das vezes são sinceras, não mentem. A questão que acho interessante é a seguinte:

A naturalidade e a veracidade dos discursos, narrativas e comportamentos do suposto “ethos virtual” esta em consonância com as necessidades e complexidades da nossa corporeidade do “ethos social”? Ou a proposta é, de fato, uma mudança de paradigmas a ponto de assumirmos o ethos virtual como “modus vivendi”?