Publicidade de Natal no Facebook: 6 dicas para uma estratégia de sucessoChegou aquela altura do ano.

O Natal está a poucas semanas.

De novo.

Até lá temos eventos estrangeiros, sobretudo com base nos Estados Unidos, que entretanto fomos adoptando, como a Black Friday e a Cyber Monday. Sem esquecer, nalguns casos, o Halloween.

Temos semana intensas pela frente, por boas razões.

Esta é a época do ano mais rentável para muitas empresas de sectores estratégicos, como comércio e restauração.

Para as pequenas empresas locais são mesmo semanas determinantes.

A título de exemplo, o mês de Dezembro representa, segundo a consultora Nielsen, cerca de 9% do total de vendas anual do sector alimentar.

Vendas do sector alimentar no Natal de 2015

Queres mais um exemplo de como é uma altura decisiva em termos económicos?

Em 2016, no período entre 28 Novembro e o dia 1 de Janeiro de 2017 foram efectuados, nas caixas automáticas da rede Multibanco (MB) em Portugal, 41,8 milhões de levantamentos no valor de 2.919 milhões de euros. Nesse mesmo período foram realizados, nos terminais de pagamento automático, 101,3 milhões de compras no valor de 4.023 milhões de euros, segundo os números da SIBS, a entidade gestora da rede MB.

Compras usando a rede Multibanco

Por aqui já se vê o potencial desta quadra.

Isto é para levar a sério…

É tempo de projectar e concretizar

Se estás a planear acções específicas para promover o teu negócio nesta época, e não vemos razões para não estares, este é o momento de projectar e concretizar.

Não penses que ainda é cedo, porque não é.

O Facebook, aliás, recomenda mesmo que este tipo de campanhas comece em Agosto ou Setembro. Não significa que deves fazer anúncios com o Pai Natal em Agosto mas que a tua comunicação tem de ser definida a pensar no evento que ocorre no final do ano.

Há uns anos atrás só empresas com orçamentos elevados para marketing conseguiam a proeza de chegar junto dos consumidores nas proximidades do Natal.

Agora já não é assim.

Uma das grandes maravilhas destes nossos tempos é que qualquer empresa, de qualquer dimensão, pode fazer publicidade aos produtos e serviços que vende a preços muito acessíveis.

O objectivo é o mesmo: aumentar as vendas no Natal. Com campanhas no Facebook ou outros meios.

Ou juntando vários.

Aprende a fazer anúncios de qualidade para te destacares no meio da multidão, conquistares o Natal e derrotares o Grinch.

Usa o poder do email e da publicidade combinados

Quanto mais vezes, em meios diferentes, as pessoas virem a tua marca, melhor. Estarás mais presente na mente do potencial cliente e podes acabar por o convencer de que és a solução para os seus problemas.

Esperamos que já tenhas colocado em prática uma estratégia de email marketing para conquistar clientes. O email continua a ser uma excelente forma de chegar até junto dos consumidores, de aparecer junto deles com regularidade e de os levar a comprar.

Usa a tua lista de subscritores e faz uma campanha de remarketing no Facebook.

Exporta os contactos do teu serviço de email marketing (MailChimp, ActiveCampaign, ou outro) e cria uma campanha específica dirigida aos subscritores da tua newsletter.

No Facebook:

  • Cria um público personalizado;
  • Carrega em Ficheiro de clientes;
  • Depois em Adicionar clientes do teu próprio ficheiro ou copiar/colar os dados;
  • Importa o ficheiro ou copia e cola os endereços de email;

Cria um público personalizado e usa os endereços de email

Depois deixa o Facebook fazer a sua magia. A rede social vai corresponder os endereços de email da tua lista com a existência de contas registadas com esse endereço e vai apresentar os anúncios às pessoas onde houver correspondência (ver vídeo).

Por norma, esta pessoas serão um excelente público. Afinal já têm uma relação com a tua marca e se tens uma boa estratégia de email marketing, estarão ainda mais receptivos à tua mensagem.

Não são os únicos.

Cria outros públicos personalizados

As pessoas que, de alguma forma, estão envolvidas com a tua marca ou mantiveram um contacto recente são outros público que deves ter debaixo de olho.

Criar públicos personalizados de:

  • Pessoas que visitaram o teu site nos últimos 180 dias (se tiveres o Facebook Pixel instalado);
  • Pessoas que interagiram com a tua página no Facebook;
  • Pessoas que viram os teus vídeos no Facebook, em particular aqueles que viram mais de 10 segundos ou mais de 50%;
  • Pessoas que gostam da tua página;

Faz campanhas tendo estas pessoas como alvo. Uma vez que já conhecem a tua marca, produtos e serviços, também elas estarão mais propensas a dedicar atenção ao que tens a dizer.

Sem esquecer aquilo que tens para mostrar.

Quanto mais quente, melhor

Já terás reparado que até agora só falamos de públicos personalizados. Isto é, pessoas que estão num patamar de conhecimento da tua marca entre o ‘morno’ e o ‘quente’.

Na verdade, o público ‘frio’, aquelas pessoas que ainda não tiveram um contacto contigo, a tua marca, produtos ou serviços, não é o foco deste artigo.

Não quer isto dizer que não possas fazer publicidade para estas pessoas na época do Natal. Podes, mas arriscas ter de pagar um pouco mais por isso, como veremos mais abaixo.

O ideal é que faças publicidade de forma regular o ano inteiro, mesmo que tenhas um orçamento limitado (é possível patrocinar com 1€ por dia). Aos poucos vais dando a conhecer o que fazes, como podes resolver os problemas dessas pessoas.

Estás a criar uma base sólida de fãs ou, pelo menos, pessoas que seguem a tua empresa e produtos, entrando no tipo de público que designamos por ‘morno’.

Esta pessoas estarão não só receptivas às tuas publicações e mensagens futuras como podem passar a ser clientes. Desde que percebam que aquilo que lhes ofereces é algo importante para eles.

Como todos sabemos, as pessoas gostam de fazer negócios com quem conhecem, gostam e confiam.

Mas há outras coisas que fazem o sucesso ou fracasso de uma campanha.

Faz anúncios com forte apelo visual

Desde pequeno que aprendemos que ‘os olhos também comem’. É algo imutável para a vida.

Usa imagens intensas e que transmitam uma mensagem relevante. Sobretudo a nível emocional.

Nem todos os anúncios relativos ao Natal têm de ter a imagem do Pai Natal, sinos, azevinho, árvores ou o presépio.

No entanto, o Natal é cenário fértil de emoções. Procura integra-las no teu texto e imagens mas sem excessos ou falsidades.

As pessoas estão hoje mais cientes de quando estão a ser iludidas. Não sigas por essa via.

Usa as emoções mas de forma ética.

Cria uma oferta tentadora para conquistar a atenção

É a chave do sucesso de qualquer campanha publicitária.

Um parênteses:

Por ‘oferta’ deves entender a tua mensagem, aquilo que pretendes transmitir. Não tem necessariamente a ver com ‘dar alguma coisa’.

Agora que estamos esclarecidos quanto a este aspecto, vamos ao que interessa.

A oferta num anúncio é aquilo que vai incentivar e motivar a pessoa a dar o passo seguinte. Pode ser entrar em contacto, comprar, partilhar, enfim, aquilo que pretendes que ela faça.

No fundo, a tua oferta é a resolução de um problema que o teu público tem.

Precisa de ser simples, clara e de compreensão imediata.

Prepara a mensagem central e depois dá asas à criatividade, porque vais ter de fazer diversos anúncios.

Cria diversos tipos de anúncios

Experimenta fazer diversos tipos de anúncios dentro de uma mesma campanha. O Facebook permite criar diversos formatos:

  • Foto ou ilustração
  • Vídeo
  • Carrossel
  • Apresentação
  • Colecção
  • Canvas

Com link ou sem link, procura analisar com cuidado qual o melhor formato para os objectivos da tua campanha. Se não souberes, experimenta. Faz alguns testes para perceber qual o melhor para aquela campanha em específico.

Eis que chegamos à complexa questão do dinheiro…

Acomoda um orçamento mais confortável

Não deve ser surpresa para ti que a concorrência por publicidade no Facebook aumenta nas épocas festivas, em particular nas proximidades do Natal.

Acontece o mesmo nos restantes meios publicitários, da TV às rádios, jornais e revistas até ao digital.

Em 2015, o Facebook verificou que o custo por mil apresentações registou uma subida de 100% durante a época festiva. É um dado relativo aos EUA mas que pode ser facilmente extrapolado para muitos outros países.

Estás a competir lado a lado com grandes, médias e pequenas empresas.

A má notícia é que isto pode fazer com que os anúncios fiquem um pouco mais caros.

A boa é que nem sempre as empresas com grandes orçamentos para publicidade ganham os leilões pelo espaço publicitário. O sistema do Facebook é baseado em leilões e o preço que o anunciante está disposto a pagar é apenas um de entre vários factores considerados. Consta que nem sequer é o mais importantes.

Há três elementos essenciais:

  • A licitação do anunciante;
  • A qualidade e relevância do anúncio;
  • A taxa de acções estimadas

A licitação

A licitação é o valor que defines durante a criação dos anúncios. Pode ser manual, em que defines o valor máximo que estás disponível a pagar, ou automática, sendo o Facebook a determinar esse montante.

Como referi num outro artigo:

A não ser que tenhas uma grande experiência em publicidade no Facebook e ideias muito bem organizadas sobre como gerir uma campanha, opta sempre pela licitação automática. Acredita que a rede social não se vai aproveitar de ti. Eles querem que sejas um cliente satisfeito e, já sabes como é, um cliente satisfeito volta sempre.

A qualidade e relevância

Na qualidade e relevância, o Facebook tem em conta o interesse que a rede social considera que o anúncio terá junto dos utilizadores. Como diz o Facebook, “se o teu anúncio tiver recebido muitas opiniões negativas, isso pode diminuir o seu valor total. Se a pessoa costuma estar interessada naquilo que publicitas, isso pode aumentar o seu valor total”.

A taxa de acções estimadas

“Uma taxa de ação estimada é uma medição da probabilidade de uma pessoa tomar as ações necessárias para que obtenhas o resultado para o qual otimizaste”, conta o próprio Facebook.

Trocado por miúdos:

A rede social analisa as probabilidades de um utilizador que faça parte do público-alvo realizar o objectivo do anúncio. O preço a pagar será tanto menor quanto mais pessoas desse público realizem o acção desejada.

Nestas circunstâncias, não é bom ter um público demasiado restrito. Nem procurar criar novos públicos através de campanhas para públicos ‘frios’. Este tipo de acções genéricas pode, nesta época do ano, ficar um pouco mais dispendiosa.

E agora?

Para chegares a mais pessoas podes ter de investir um pouco mais que noutras épocas do ano

Investe com estratégia

Por tudo isto, precisas de criar uma estratégia específica para esta época do ano.

Estrutura uma campanha com diversos níveis e procura compreender como a temporada festiva está, este ano, a envolver as pessoas. O Natal é sempre a 25 de Dezembro mas a forma como as pessoas encaram a quadra é diferente de ano para ano.

Estão mais inclinadas a gastar mais ou menos dinheiro? Este ano pretendem oferecer mais utilidades ou futilidades?

Procura jogar com todos os aspectos para obter os melhores resultados possíveis.

Pega num bloco, numa caneta e começa a escrever as tuas ideias. Separa as melhores das outras e aplica o teu plano. Está na hora.

https://www.youtube.com/watch?v=SQ8hVobSi6c


Publicado originalmente em kaksimedia.com a 12 de Outubro, 2017.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.